O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Milhares de manifestantes em Bruxelas contra cimeira da NATO

07 jul, 2018 - 18:30

Mais de 3 mil pessoas manifestaram-se contra a aliança e contra Donald Trump.
A+ / A-

Milhares de pessoas manifestaram-se este sábado em Bruxelas contra a cimeira da NATO, que terá lugar naquela cidade nos dias 11 e 12 de julho bem como contra a presença do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no encontro.

Sob o lema “Trump não és bem-vindo. Façamos a paz grande outra vez”, o protesto foi liderado por várias organizações não-governamentais (ONG) como a Amnistia Internacional e a Greenpeace e percorreu várias ruas de Bruxelas até chegar ao centro da capital belga.

Este é o segundo protesto que ocorre antes desta cimeira anual da Aliança Atlântica, que vai acontecer na nova sede da organização em Bruxelas.

O protesto foi convocado para contestar a “militarização de uma política internacional” que, segundo os organizadores, “exclui as pessoas”.

“Pedimos aos nossos líderes belgas e europeus para que não se inspirem na visão do mundo de Trump e resistam contra Washington. Pedimos que façam frente à sua visão desumana da política migratória”, afirmou, em declarações à agência noticiosa espanhola EFE, uma porta-voz da organização do protesto, Leila Lahssaini.

Segundo os organizadores, a manifestação reuniu entre 3.000 a 4.000 pessoas.

A mesma porta-voz salientou que o protesto foi “um sucesso” ao nível da participação, mas também porque conseguiu reunir pessoas das mais diversas áreas, de organizações ecologistas a movimentos feministas, passando por grupos pacifistas.

Novos protestos

Para domingo está agendada outra ação de protesto, um ciclo de conferências pacifistas, junto ao Parlamento Europeu, no centro de Bruxelas.

No início deste mês, a imprensa norte-americana noticiou que Trump tinha enviado cartas aos aliados da NATO, queixando-se das contribuições insuficientes dos respetivos países junto da Aliança Atlântica.

Nas cartas, avançadas pelo jornal norte-americano The New York Times, Trump referiu que em 2017 formulou queixas em privado e em público para pressionar os países da NATO a contribuírem com 2% do Produto Interno Bruto (PIB) para a defesa comum.

Segundo a mesma notícia, Trump indicou que os pagamentos não foram “suficientes”, acrescentando que, na sequência de tal situação, os Estados Unidos podem vir a reconsiderar a “presença militar” a nível mundial.

A administração Trump também tem estado sob fortes críticas, internas e externas, por causa da aplicação de uma política migratória de “tolerância zero”, no âmbito da qual tem separado crianças menores indocumentadas dos respetivos pais, igualmente indocumentados, na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    08 jul, 2018 18:36
    80 milhões de votos? O comentador Augusto bateu com a cabeça aonde mesmo?
  • augusto
    08 jul, 2018 lisboa 10:09
    Esta manif foi organizada por entidades e grupos não reconhecidos pelos EUA.A vontade dos EUA é para cumprir pois tem pelo seu lado um mandato presidencial com 80 milhões de votos ,portanto a razão dos apoiantes e a força inquestionável sem hipótese de ser parada.Seria transparente conhecer quem subsidia estes grupos.
  • Anónimo
    07 jul, 2018 19:49
    Dissolução da NATO e sanções aos Estados Unidos pelas suas políticas de imigração criminosas! Chega de estar de rabinho voltado para o imperialismo americano!