O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Serra da Estrela

Faruko, Daisy e Zorro são algumas das estrelas da romaria equestre

06 jul, 2018 - 07:33 • Liliana Carona

Romaria decorre até domingo e liga os dois Santuários da Nossa Senhora da Ajuda mais distantes do distrito da Guarda.
A+ / A-

São quatro dias e quatro noites em que romeiros e respetivos cavalos percorrem cinco capelas na zona da Serra da Estrela. A Romaria Equestre a Nossa Senhora da Ajuda liga os dois santuários dedicados à Santa mais distantes do distrito da Guarda.

As temperaturas amenas têm ajudado, até porque o Faruko não gosta de calor. É o cavalo lusitano de Fernando Santos, 42 anos. "As altas temperaturas afetam-nos bastante". E não há pressas, porque os 70 cavalos precisam descansar e comer.

A primeira paragem é no Seminário de Gouveia, onde generosos fardos de palha são disponibilizados aos animais. Nem o Snoopy, um cão simpático, branco, de olhos azuis, faltou à romaria que envolve humanos e cavalos, para agradecer a Nossa Senhora da Ajuda.

A ideia começou no ano passado com Nuno Borregana. "Percorremos todas as capelas de Nossa Senhora da Ajuda. Começamos em Seia, seguimos para Guarda, Pinhel e terminamos em Malhada Sorda. Pela fé movemos montanhas. Isto é uma ação de graças", explica à Renascença.

Pelo caminho dormem ao ar livre. Mariana Reis tem 18 anos e admite que são muitas horas a cavalo. "É exaustivo, mas compensa”, acrescenta.

O presidente da Associação Equestre de Cavaleiros e Amazonas da Serra da Estrela, Ilídio Ramos, tem um sonho. "Gostava que daqui a uns anos esta romaria fosse como a romaria de El Rocio em Espanha. Isto serve o turismo cultural, religioso e estamos a fazer contactos com a Turismo do Centro para no próximo ano termos um livro que sirva de roteiro e de apoio", anuncia.

José Carlos, de 36 anos, faz a romaria a cavalo por uma questão de fé. Acompanhar a santa "foi uma promessa pessoal", conta.

A romaria, que junta pessoas e animais, pretende também alertar para o são convívio entre amos. "Todos os animais merecem ser respeitados e não o são muitas vezes, desde o cão ao cavalo, os gatos, todos merecem respeito", conclui António Ventura, outro dos romeiros.

Com fé no coração, dizem os organizadores que mais do que nunca, importa alertar para o respeito e compaixão para com os animais. A romaria começou na quinta-feira e termina este domingo. Até lá, passa por seis concelhos: Seia, Gouveia, Celorico da Beira, Guarda, Pinhel e Almeida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.