A+ / A-

Bastonário dos médicos critica “timing” de mudança para as 35 horas na saúde

03 jul, 2018 - 10:09

Miguel Guimarães reagiu na Manhã da Renascença às notícias de que alguns hospitais já tiveram de encerrar camas devido à escassez de recursos humanos e questiona: “Quem é responsável pela saúde em Portugal?”
A+ / A-

A decisão é acertada, mas é errado o momento escolhido, pelo Ministério da Saúde, para reduzir de 40 para 35 horas semanais o horário de trabalho dos enfermeiros e técnicos da saúde. O alerta é deixado na Renascença pelo bastonário da Ordem dos Médicos.

“É da mais inteira justiça que estes profissionais passem a ter um horário de 35 horas. Agora, a escolha para fazer esta passagem de horas, provavelmente, não é a melhor nem o planeamento ou organização que lhe está subjacente”, começa por dizer.

E justifica: “Fazer isto numa altura em que os serviços já têm alguma dificuldade em dar resposta às solicitações dos seus doentes, da sua população, porque é uma altura em que há mais profissionais de férias, não me parece que tenha sido [uma escolha] muito boa”.

Face à redução de horário e à greve em curso às horas extraordinárias, “obviamente”, vai haver “consequências na capacidade de resposta dos cuidados de saúde e também consequências ao nível das pessoas que estão a trabalhar, que vão ter uma pressão muito maior para tentar resolver, pelo menos, as situações mais agudas e mais urgentes”.

No Hospital de São João, no Porto, já houve necessidade de encerrar camas, devido à escassez de recursos humanos.

O Bastonário da Ordem dos Médicos reconhece que, neste quadro, está criada uma situação de emergência nos hospitais portugueses e critica o facto de o Ministério das Finanças ter a última palavra.

“O senhor ministro da Saúde anunciou recentemente, na Assembleia da República, que iriam ser contratados mais dois mil profissionais nas diferentes áreas para fazer face a essa situação, o que não chegava. Ainda assim, esses dois mil profissionais não tiveram autorização para ser contratados. Mais uma vez, aparentemente o Ministério da Saúde autoriza os hospitais a poderem contratar pessoas para colmatar estas deficiências, mas o Ministério das Finanças ainda não autorizou”, aponta.

“Não se percebe muito bem, exatamente, quem é responsável pela saúde em Portugal”, critica, defendendo que a última decisão nestes casos “tem que passar pelo ministro da Saúde”.

Os enfermeiros estão em greve às horas extraordinárias por tempo indeterminado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.