O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Seleção Nacional

Queiroz responde a Quaresma: "Se os treinadores que ele teve falassem..."

27 jun, 2018 - 12:13

O selecionador do Irão, antigo selecionador nacional, também revela o que disse ao ouvido de Moutinho e deixa críticas ao videoárbitro. Sobre Cristiano Ronaldo, Queiroz lembra que a história da FPF "não começou na ilha da Madeira".
A+ / A-

Carlos Queiroz responde às palavras de Ricardo Quaresma após o Irão-Portugal (1-1). O extremo disse que não falaria do selecionador do Irão, caso contrário demoraria "a noite toda". Em entrevista ao "Público", Queiroz lança o "dardo" de volta ao internacional português.

"O Quaresma ainda vai ter de jogar pela minha seleção e não vou tecer muitos comentários. Mas se todos os treinadores que ele teve falassem dele ficariam alguns anos a falar. Todos, desde o Sporting ao FC Porto. É melhor ficarmos por aqui. Se tiver de dizer alguma coisa sobre mim, que tenha coragem e diga agora", desafia o treinador português.


Outro caso da partida foi o abraço, com palavras ao ouvido, de Queiroz a João Moutinho, quando o médio se preparava para entrar. Em zona mista, o jogador disse que nem tinha reparado. Questionado sobre a situação, Queiroz revela o que disse a Moutinho: "É muito simples, disse o seguinte: ‘João ajuda-me a acalmar aquela malta lá dentro. Os meus jogadores não têm muita experiência, ajuda todos a terem calma’".

Queiroz considera que a seleção do Irão fez "um excelente trabalho" frente a Portugal e que "não podia estar mais orgulhoso" dos seus jogadores. "Não ter a humildade de reconhecer o mérito da nossa exibição é que é realmente faltar ao respeito", atira.

Críticas ao VAR e uma história que "não começou na ilha da Madeira"

O videoárbitro [VAR] e os árbitros que à tecnologia recorrem merecem críticas do treinador, que considera que os juízes "que vêm da Ásia ou de África não estão familiarizados com o VAR" e agem como Pilatos, "a recorrer a este sistema para lavar as mãos da sua responsabilidade".

O cartão amarelo a Cristiano Ronaldo, por cotovelada a um jogador iraniano, é o que mais críticas recebe por parte de Carlos Queiroz.

"Ou era cartão vermelho ou não era nada, ponto final. Eu até admito que não seja nada, mas só havia uma decisão inteligente do árbitro que era não sancionar. A punir não tem outra alternativa e tem de ter coragem de mostrar o vermelho. Assim assumiu uma meia decisão", critica. Na opinião de Queiroz, o árbitro não teve coragem para expulsar o craque português: "Nem o árbitro nem ninguém. É claro e óbvio que o árbitro depois de ter sido pressionado pela equipa portuguesa não teve coragem. Mas não foi só isso. Logo a seguir o Cristiano intercetou uma bola com a mão no ar e não lhe é mostrado segundo amarelo".

Queiroz também considerou que o facto de só três jogadores portugueses o terem cumprimentado, após o encontro, foi uma falta de respeito. "Conquistei títulos europeus e mundiais, com reformas e ideias. A história da Federação Portuguesa de Futebol não começou na ilha da Madeira com Cristiano Ronaldo. Começou muito antes", realçou.

De qualquer forma, Queiroz já está "habituado a ser este homem que vive contra uma parte da nação e que tem uma parte da nação contra si", estigma que acredita ter surgido no Mundial 2010. "Eu digo coisas que muitos portugueses gostariam de dizer e não dizem. Pessoalmente, não me identifico com certas coisas que se passam na equipa portuguesa".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FM
    27 jun, 2018 GAIA 17:48
    QUEIROSIRANIANO,PORQUE NÃO TE CALAS?NACIONALIZA-TE MOÇAMBICANO OU IRANIANO?NEM DAQUI A 50 ANOS CONSEGUES ENSINAR OS JOGADORES DA TUA EQUIPA A FAZEREM UMA TRIVELA COMO O NOSSO PORTUGUÊS QUARESMA.
  • Rui Silva
    27 jun, 2018 Porto 15:02
    Sr. Queiroz desculpe lá mas, o que você quer é protagonismo!!! Isto não e a nação contra Sr. Queiroz coisa alguma!! Venha quem vier o Sr. Queiroz foi foleiro no jogo contra o Irão e continua a sê- lo, porque está a tentar manipular através da comunicação social a opinião publica de um situação que já não merece discussão (o jogo já passou). Os únicos que pressionaram a equipa de arbitragem antes, durante e depois, foram e são os jogadores do Irão mais a equipa técnica do Irão. Já agora, toda gente sabe incluindo você (por isso deixe de ser hipócrita) que o Ronaldo não agrediu ninguém, reagiu de apenas de forma "soft" à provocação e obstrução propositadamente nojenta do jogador do Irão. Toda gente sabe que o vosso penalti foi inventado pela vossa pressão sobre o arbitro. Resumindo e concluindo com todo o respeito e admiração que eu tenho por você, vá catar pulgas. Se quer este tipo de protagonismo foleiro, vá parar a algum programa do tipo "Casa dos Segredos" ou a algum "Big Brother".
  • Fernando Machado
    27 jun, 2018 Porto 14:51
    Não percebo muito da industria do futebol, mas, o comportamento de certos responsáveis(?) deixa muito a desejar.