A+ / A-

Governo abre a porta a salário mínimo acima dos 600 euros

27 jun, 2018 - 07:37

Secretário de Estado do Emprego lembrou que nada está fechado, até porque o debate ainda não começou na concertação social.
A+ / A-

Depois da abertura dos patrões, o Governo mostra-se disponível para subir o salário mínimo acima dos 600 euros no ano que vem.

O "compromisso" era avançar até 600 euros brutos mensais em 1 de janeiro de 2019, mas o secretário de Estado do Emprego disse terça-feira, à margem de um evento no Ministério do Trabalho, que esse valor não está fechado, escreve o “Diário de Notícias”.

"O Governo tem uma meta, mas vamos passo a passo. O debate ainda não abriu na concertação social, há de chegar a seu tempo. Vamos ainda durante o mês de julho apresentar na concertação mais um relatório de análise do SMN", afirmou Miguel Cabrita, sublinhado que estão atentos a todos os sinais. "O debate vamos tê-lo a seu tempo, que é no final do ano, nessa altura veremos qual é o equilíbrio possível."

O debate regressou esta semana, com alguma surpresa, através de António Saraiva, o presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal. Em entrevista ao Jornal de Negócios, o líder da estrutura representativa dos patrões disse que "pode haver uma surpresa e não ficarmos confinados aos 600 euros". Referiu ainda que "os salários podem e devem subir, mas indexados à produtividade e crescimento".

Miguel Cabrita, que é secretário de Estado de José Vieira da Silva, referiu que executivo "nunca foi para nenhum debate sobre o salário mínimo com um valor inteiramente fechado".

No final do ano passado, havia 669,9 mil pessoas a ganhar o SMN (cerca de 20% dos trabalhadores por conta de outrem), segundo o Ministério do Trabalho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Compensações
    27 jun, 2018 Portugal 09:19
    Isso é para compensar a rodada de balelas sem significado pratico nenhum, as "mudanças" para ficar tudo na mesma, a mão cheia-de-nada e a outra de coisa nenhuma, que foi a dita alteração da Legislação Laboral que negociaram com o Patronato e os vendidos da UGT?
  • alguém
    27 jun, 2018 algures 08:39
    Os governantes deveriam ter o seu salário indexado ao salário mínimo.