A+ / A-

Habitação. Voltar para casa dos pais depois dos 30 anos

26 jun, 2018 - 12:00 • João Carlos Malta , Inês Rocha , Marília Freitas

Os preços para arrendar casa em Lisboa e no Porto não são para jovens. Pelo menos para uma grande parte dos que desejam uma vida independente. A coabitação é uma modalidade cada vez mais em voga e há mesmo quem tenha de voltar à casa de partida: a dos pais. Histórias dos jovens com mais de 30 anos que não conseguem pensar a vida a mais de seis meses de distância.
A+ / A-
Habitação. Voltar para casa dos pais depois dos 30 anos
Habitação. Voltar para casa dos pais depois dos 30 anos

João saiu de casa, foi trabalhar para um banco e viver num pequeno T0, bem no centro de Lisboa. Parecia o início de qualquer coisa e foi, mas não exatamente do que ele esperava. Os preços do arrendamento subiram, o trabalho desapareceu e teve de contentar-se com um quarto. Até que a única saída foi regressar ao ponto de partida, à casa da mãe em Mem Martins. Tem 33 anos.

Adriana vive com a corda na garganta desde que começou a trabalhar no Porto. Não pode arrendar um apartamento sozinha e, mesmo acompanhada, nem sempre consegue algo decente. Sem a ajuda dos pais e dos avós teria de voltar a viver com eles permanentemente. Até agora conseguiu que isso só acontecesse uma vez, durante dois meses. Aos 32 anos, não consegue planear nada a mais de seis meses, o tempo máximo de cada um dos contratos que conseguiu arranjar desde que terminou os estudos.

As histórias dos jovens com mais de 30 anos que não conseguem ter disponibilidade financeira para arrendar casa sozinhos nas grandes cidades não pára de aumentar. Não existem dados estatísticos sobre o tema, mas as perceções entre os especialistas do mercado não enganam.

“Em Lisboa uma pessoa solteira não consegue suportar uma renda ou o preço de um empréstimo à habitação se não estiver com alguém. Podemos dizer que centenas ou milhares que vivem nessa situação saem de casa dos pais muito tarde e não se tornam independentes do ponto de vista da habitação”, afirma o geógrafo e especialista em habitação, Luís Mendes, em entrevista à Renascença.

Ricardo Sousa, que lidera a rede da Century 21 em Portugal e em Espanha, garante que há muitos anos que sentem a dificuldade de os jovens acederem à habitação, em particular a soluções de arrendamento. É um segmento de mercado que está a minguar, porque o aluguer de curta duração e a venda estão agora mais atrativos do que no passado.

Um T1 em Lisboa, segundo Ricardo, está a registar valores médios de arrendamento próximos dos mil euros. O especialista neste mercado justifica o preço com o segmento em que se concentrou a recuperação de imóveis destinada ao arrendamento: gama alta e de luxo.

“Longe dos 400 ou 500 euros que os jovens teriam disponíveis”, considera Ricardo.

18 metros quadrados de sonho

João Costa tinha um orçamento menor quando, em 2014, saiu de casa da mãe. Eram 300 euros. Não foi muito fácil arranjar um apartamento, levou mês e meio à procura, mas conseguiu um T0 na Calçada do Combro, junto ao Bairro Alto, na zona mais “in” da capital.

Eram 18 m2, até podia ter optado por um quarto maior, mas deu primazia à privacidade. E se o espaço físico não era muito grande, o mental reduziu-se quando dormir, comer e trabalhar acontece a dois passos de distância. Teve de mudar. Em 2015, os 300 euros já só davam para pensar num quarto.

Em Lisboa, segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística, arrendar casas custa o dobro do resto do país (9,62 euros/m2). Já segundo o portal Confidencial Imobiliário, nos últimos seis anos, o valor do arrendamento subiu 25% na capital.

Estávamos em 2015 e, nessa altura, ainda se alugava um quarto pequeno por 200/250 euros por mês. João avançou. Dormia e trabalhava no mesmo sítio - na cama.

Os primeiros tempos não foram fáceis. “Foi um choque enorme, a casa tinha oito pessoas sem contar comigo.”

O colegas de casa estavam sempre a mudar. “No meu quarto ouvia-se tudo, naquela casa um quarto é dividido ao meio com paredes de 'pladur' em que se ouve tudo. Não há privacidade sonora”, lembra.

E se viver com alguém que se conhece já é um desafio, quando se parte para uma relação de coabitação com desconhecidos os obstáculos são ainda maiores. Os pequenos problemas podem tornar-se gigantes.

“Não faz sentido que, quando se partilha a cozinha com outras pessoas, se acabe de comer e não se lave a loiça. Se não o fizer, levo para o meu quarto. Eu optava por lavar logo, porque é o que faz mais sentido, mas havia pessoas que a deixavam no lavatório”, recorda o jovem de 33 anos.

A juntar aos contras da coabitação, há algo quase determinístico que tornou a opção uma necessidade. “Hoje em dia está a tornar-se uma obrigação ir para um quarto se quiseres viver em Lisboa."

Precariedade como forma de vida

O turismo, o arrendamento de curta duração, os vistos gold, a atratividade do país são as razões para que o arrendamento em Lisboa seja um bicho de sete cabeças para os jovens. Mas o geógrafo Luís Mendes sugere razões mais profundas e longínquas para o fenómeno.

“O direito à habitação em Portugal nunca foi verdadeiramente consagrado, sempre foi deixado ao sabor do mercado. Somos dos países da Europa em que o Estado tem a parcela mais pequena no que toca a habitação. Noutros países a habitação pública não se resume à habitação social e pode atingir os 6,7 ou 10%”, aponta o especialista.

Os últimos dados estatísticos dizem que há 120 mil habitações de cariz social em Portugal, um valor muito abaixo da média europeia.

Para Luís Mendes o que agora se está a passar é um fenómeno de gentrificação pelo turismo. “As pessoas não conseguem ficar na habitação onde residiam e são expulsas. Este fenómeno decorre da subida das rendas, mas sobretudo de uma viragem neoliberal que houve ao nível das políticas, que começaram a orientar-se para o mercado”, opina.

Uma das consequências é o de a cidade começar a expulsar os mais jovens, porque “não conseguem comportar o valor do custo da habitação”. Depois, há efeitos que se desmultiplicam. “Isso tem também um impacto na estrutura comercial da cidade, mas quando vemos isto com lentes mais gerais, o cenário é mais vasto, vemos que tem um impacto no perfil da cidade.”

A precariedade na habitação está muitas vezes embrulhada na falta de trabalho ou em contratos a termo que nunca mais têm termo. Depois de oito anos na Caixa Geral, subcontratado por uma empresa de trabalho temporário, João acabou por lhe ver apontada a porta de saída.

Ficou reduzido ao subsídio de desemprego, ou seja, a 65% do rendimento mensal. A partir dai percebeu que o orçamento não dava para viver em Lisboa, porque nunca conseguiria pagar um quarto por 300 euros, a que teria de somar as refeições.

“Preciso de poupar algum dinheiro e não posso gastar 500 euros em comida e renda e não ficar com nada para mim”, sublinha.

Voltar à casa de partida

O CEO da imobiliária Century 21, Ricardo Sousa, olha para a cidade de Lisboa para afirmar que “não é muito grande”. A área metropolitana também não o é e “conseguimos ter bons acessos”, “bons transportes públicos e a linha de metro tem-se vindo a prolongar”.

Isso tem levado os jovens a virarem-se para opções como a Amadora, Odivelas, Almada e o Barreiro.

“O estudo que fizemos sobre ‘millenials’ mostra que arrendam e compram nestes mercados porque o crédito à habitação é mais económico na periferia. Em Lisboa, as opções de 400/500 euros são muito limitadas e a solução passa a ser a partilha da casa e o aluguer dos quartos”, explica o agente imobiliário.

“Eu tenho a sorte de ter os meus pais que, mesmo com as suas dificuldades, me conseguiram ajudar. Há muita gente que não tem sequer esta via de ajuda”, refere João.

Os desajustamentos entre o mercado e as condições de vida objetivas dos jovens não são inevitáveis. O geógrafo Luís Mendes aponta o caso de Lisboa, que está a ser acessível a uma procura global que “tem um rendimento muito acima da média do português.”

O especialista em habitação diz que é aí que o Estado deve atuar, “aprendendo com o exemplo de outras capitais europeias e mundiais, outras cidades que perceberam que não conseguiam travar a força do turismo”.

“O investimento estrangeiro é fundamental à economia local, mas também nacional. O que se tem de fazer é gerar programas de arrendamento acessível que garantam que o consumidor nacional também possa aceder”, sugere Luís Mendes.

Quando Adriana saiu do T3 não encontrava nenhum lugar para pagar abaixo dos 200 euros. A partir de então, a situação piorou sempre. Passou da procura de casa à procura por um quarto.

“Já nem sequer colocava em hipótese a procura de um imóvel individual”, confessa.

Outra dificuldade: “Sentia que, mesmo afastando-me um bocadinho do centro histórico do Porto, os valores não eram assim tão diferentes. A menos que fosse para a zona mais periférica da Maia, por exemplo, ou Gondomar. Mas teria ainda de pagar o transporte.”

Mesmo baixando as expetativas, não conseguiu encontrar um sítio. Em julho e agosto do ano passado esteve “em situação de habitação solidária”. “Uma amiga minha cedeu-me gentilmente o sofá de casa e estive lá durante esses dois meses para que pudesse, também com alguma calma, procurar um quarto cá no Porto”, partilha.

Um mês depois, o contrato temporário que tinha chegou ao fim e teve de fazer de novo contas à vida. Desta vez um regresso, a casa da família. “A escolha lógica foi o quartinho na casa dos pais, que está lá sempre que eu precisar.”

Os desafios

Continuou à procura e no círculo de amigos lá encontrou uma solução. Estava exausta de tanta tentativa e tanto erro. Mas dessa vez correu bem: 150 euros e pessoas impecáveis com quem viver.

Ainda assim reflete sobre tudo o que lhe aconteceu. “À partida já te colocas numa situação de maior debilidade, ou seja, tens que te sujeitar de certa forma àquilo que aparece, às pessoas que aparecem, não menosprezando quem quer que seja, mas cada um tem a sua personalidade, cada uma tem o seu feitio e podemos dar-nos bem ou muito bem, como podemos dar-nos muito mal”, diz.

“O desafio de encontrar uma casa a partilhar com alguém que tu não conheces, é um bocado assustador”, continua. “Podes dar-te extremamente bem, que é o caso atual, como pode tudo correr muito mal, porque as pessoas são diferentes, têm as suas rotinas, os seus hábitos, e viver com alguém pressupõe que não deixes de lado os teus valores, os princípios e aquilo que és, mas que estejas predisposta para a partilha de um espaço que, à partida, é um espaço um pouco mais privado, que é o espaço de casa”, concretiza.

No mercado, segundo Ricardo Sousa, assiste-se a um “aumento da idade média das pessoas que aceitam viver com desconhecidos" É um 'aceitar' com muitas aspas. "Aceitam porque não têm alternativa.”

Planear o quê, quando tudo é incerto?

É o que se passa com Adriana. Até queria planear, mas não vale muito a pena porque “é tudo tão instável”.

“O facto de haver taxas de desemprego gigantes, os empregos que existem serem empregos de curta duração com contratos a termo, com vínculos altamente precários, não te permite pensar a longo prazo”, resume.

Isto apesar dos desejos que carrega no subconsciente. "Gostava de ter uma casa”, “se calhar constituir uma família”, ter o seu próprio espaço e “um trabalho estável". Tudo sonhos que parecem distantes.

Adriana sabe que não está sozinha nestas dificuldades e que há quem esteja pior, aqueles que têm de voltar à casa de onde saíram um dia para tentarem ter vidas independentes. “Veem-se obrigados a voltar para casa dos pais e a viver uma vida que acaba por ser de sobrevivência. Sabe-se lá em que estado psicológico é que essas pessoas vivem.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    05 out, 2018 21:32
    Portugal é uma vergonha. Por isso muitos emigram.
  • Anónimo
    05 out, 2018 21:32
    Eu é que mandava o comentador "anónimo de "Lx Centro" para Moscovo. Com tanto disparate que escreve talvez seja fã do senhor Putin...
  • Anonimo
    07 ago, 2018 Lx Centro 19:10
    Ora temos um sujeito que quer casa de luxo no centro da cidade a preço Zero. Talvez o centro de Moscovo com a privacidade totalmente partilhada. É preciso madál-lo à ou para a..., ou ele vai mesmo sozinho??? e os outros! Tambem pode optar pelos apartamentos do Roubes. Pois é!
  • FR
    03 jul, 2018 Portugal 00:20
    O Cavaco quer mais crianças porque a reforma de 12mil euros/ mês não chega. É preciso mais escravos. Os meus filhos não serão de certeza. Ele que os faça mais a velha dele ou encomende imigrantes do ebay.
  • Vasco
    27 jun, 2018 Viseu 11:43
    E apesar desta situação ainda apareceu na televisão " ALGUÉM" a afirmar que iria providenciar no sentido de fazer regressar ao País, aqueles jovens que emigraram por não terem emprego em Portugal, designadamente pessoas com elevada formação académica e técnico - profissional, melhor dizendo iria convidá-los a abandonar o País que os acolheu e lhes deu um emprego provavelmente bem remunerado e oferecer-lhes uma mão cheia de vento, ou quando muito um emprego precário, com uma remuneração igual ou até inferior ao salário mínimo nacional a recibos verdes etc. etc. Realmente como é que tal seria possível se nem para os que cá estão existem empregos, já não digo bons, mas pelo menos razoáveis, como é que seria possível fazer regressar essa gente e conseguir dar - lhes uma vida minimamente digna? Enfim, sem comentários!
  • 26 jun, 2018 aldeia 18:36
    Portugal está a tornar-se um país muito caro,com muitos impostos,taxas,obrigações e demasiadas exigências para ordenados tão pequenos.
  • Isto diz-vos algo?
    26 jun, 2018 AssimvaiPaís 14:16
    Formem-se, tirem licenciaturas, mestrados, doutoramentos para estágios gratuitos ou recibos verdes ou contratos precários para irem ganhar durante 6 meses o salário mínimo. Tenham filhos, muitos filhos, que as condições são óptimas para isso. "Vivam" de estágios não remunerados até aos 35 anos. Vivam com os Pais, Avós, ou qualquer familiar que tenha uma casa, e Quando ele morrer, ocupem então a casa - se o Senhorio deixar e não aumentar 1000% a renda. Não emigrem, fiquem cá na absoluta precariedade e gestão de empresas à lá Nuno Carvalho/ Padaria Portuguesa, e se emigrarem, regressem depressa que precisamos cá de mão-de-obra qualificada, paga a salário mínimo. Mas segundo os governantes, vai tudo bem...