O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Lesados do BES criticam associação

14 jun, 2018 - 23:15

“A associação nunca cumpriu com o que está na escritura da associação. Nunca meteu nenhum processo, nunca meteu providências cautelares, mas a associação recebeu mais de 100 mil euros dos sócios”, disse António Silva.
A+ / A-

Lesados do BES dizem estar a ser novamente enganados, agora pela associação que os devia defender.

Duas centenas de associados da antiga Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial e da Associação que representa os emigrantes lesados juntaram-se e fundaram o Grupo de Lesados do Novo Banco.

Acusam as associações de recolherem mais de 100 mil euros em quotas e donativos, com o objetivo de abrirem processos e deixarem os associados sem qualquer apoio.

“A associação nunca cumpriu com o que está na escritura da associação. Nunca meteu nenhum processo, nunca meteu providências cautelares, mas a associação recebeu mais de 100 mil euros dos sócios. Andam os lesados a ter de meter processos individuais porque a associação não nos dá apoio”, disse António Silva.

Ouvido pela Renascença, António Silva lembra que os processos coletivos são gratuitos, mas nem esses avançaram.

Admite que muitos lesados já chegaram a acordo com o banco, incluindo alguns que se juntaram a este grupo, porque estão com uma idade avançada, mas há quem recuse entendimentos e continue a insistir na justiça.

Têm uma página onde são seguidos por mais de 2400 pessoas e garantem que só não têm mais apoio devido à idade avançada e ao comodismo de muitos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.