A+ / A-

Trump chama ​"assassino brutal” a Juncker

14 jun, 2018 - 18:26

Acho que ele queria fazer um cumprimento, mas não tenho a certeza”, afirma o presidente da Comissão Europeia.
A+ / A-

O Presidente norte-americano, Donald Trump, chamou “assassino brutal” ao presidente da Comissão Europeia durante a cimeira do G7 do último fim de semana, revela Jean-Claude Juncker.

Os pormenores da conversa foram contados esta quinta-feira pelo político europeu durante um discurso na assembleia regional da Baviera, na Alemanha.

“Trump disse-me na semana passada. Jean-Claude, és um assassino brutal”, declarou o presidente da Comissão Europeia.

“É a primeira vez que o Luxemburgo foi considerado tão perigoso para os Estados Unidos. Acho que ele queria fazer um cumprimento, mas não tenho a certeza”, disse o luxemburguês Jean-Claude Juncker.

A cimeira do G7, as sete nações mais industrializadas do mundo, decorreu no Canadá e ficou marcada pela tensão entre Trump e outros líderes mundiais por causa da imposição de tarifas.

Os Estados Unidos assinaram a declaração final do encontro, mas Trump acabou por se desvincular do documento já depois da cimeira porque não gostou das declarações do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Patricio
    17 jun, 2018 Lisboa 11:29
    É um cumprimento feroz contra atuaçao da EU e seu posionamento perante TRUMP.Os lideres europeus confrontaram TRUMP desconsiderando-o antes e após eleito.Que esperam?Ele está a cumprir programa eleitoral nada de novo ,não irá mudar como fazem europeus.A humilhação sentida é a mesma dos paise do sul qdo foram apelidados de preguiçosos ,mulherentos e PIGS.Ou seguem EUA ou estarao liquidados.Custa não custa? É a realidade do momento e nada podemfazer.