O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Mais um padre assassinado nas Filipinas

14 jun, 2018 - 15:15 • Ângela Roque

Em apenas seis meses já foram mortos três sacerdotes católicos e há uma semana um outro padre foi agredido violentamente na província de Laguna.
A+ / A-

No seguimento de uma crescente onda de violência contra a Igreja Católica nas Filipinas, um padre foi assassinado naquele país, elevando para três o número de sacerdotes assassinados nos últimos seis meses. O caso mais recente aconteceu no passado domingo, dia 10 de junho.

Segundo informa a fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), o padre Richmond Villaflor Nilo, de 40 anos, pertencia à diocese de Cabanatuan e foi assassinado ao lado do altar onde ia celebrar missa na igreja de Mayamot, situada na cidade de Zaragoza. Os autores do crime fugiram do local e, até ao momento, ainda não foram detidos pelas autoridades. O assassinato ocorreu uma semana depois de um outro sacerdote ter agredido violentamente na província de Laguna.

A Conferência Episcopal das Filipinas condenou de imediato mais este assassinato, afirmando em comunicado que “nenhum padre, e nenhum ser humano, merece ser morto com tamanha brutalidade, desrespeito e impunidade”.

Todos os sacerdotes devem ser “respeitados como embaixadores de Cristo”, e “matar um padre” é “anticristão e desumano”, sublinha os bispos no mesmo documento citado pela AIS.

Os responsáveis pela diocese de Cabanatuan manifestaram-se disponíveis para cooperar com as autoridades com vista à captura dos responsáveis por mais este crime, e exigiram uma “investigação minuciosa e imparcial” do caso e sua pronta resolução.

Os ataques anteriores ocorreram a 29 de abril em Gattaran, onde foi morto o padre Mark Ventura, e 4 de dezembro de 2017, em Jaen, onde foi assassinado o padre Marcelito Paez.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.