O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Estados Unidos devolvem carta de Colombo roubada ao Vaticano

14 jun, 2018 - 15:08

A carta roubada foi parar à posse de um colecionador americano cuja viúva, confrontada com os resultados da investigação, decidiu entregá-la novamente à Biblioteca do Vaticano.
A+ / A-

Os Estados Unidos devolveram esta quinta-feira ao Vaticano uma rara carta de Cristóvão Colombo, que narra a sua descoberta do Novo Mundo, e que tinha sido roubada da Biblioteca da Santa Sé.

As autoridades americanas foram informadas em setembro de 2011 sobre alegadas falsificações de primeiras edições da famosa carta, datada de 1493. Quando Colombo regressou da América, foram impressas cópias da carta original, mas só cerca de 80 chegaram aos nossos dias, segundo a CNN. Uma delas estava na biblioteca do Vaticano desde 1921.

Após uma longa investigação, feita com a colaboração do Vaticano, chegou-se à conclusão de que um exemplar na posse de um colecionador americano, David Parsons, tinha, na verdade, sido roubado ao Vaticano. O criminoso responsável seria Marino Massimo de Caro, um ladrão de livros e manuscritos raros que está a cumprir pena numa prisão italiana.

O livro tinha sido roubado antes de 2004 e vendido por De Caro a um alfarrabista em Nova Iorque, que, por sua vez, o vendeu a Parsons.

Confrontada com o resultado destas investigações, a viúva do já falecido David Parsons aceitou devolver o documento original na condição de que fosse levado de volta para a biblioteca do Vaticano.

Esta quinta-feira, essa condição é cumprida pela embaixadora americana junto da Santa Sé, Callista Gingrich.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.