A+ / A-

Papa. Crise migrante exige “mudança de mentalidade” e resposta humanitária internacional

14 jun, 2018 - 09:46

Francisco pede à comunidade internacional que tenha a "coragem de destruir o que chama de muro da cumplicidade confortável".
A+ / A-

O Papa está preocupado com a questão da crise das migrações e com as manifestações de pouca solidariedade, numa altura em que a tensão diplomática aqueceu entre a França e a Itália, após o Governo italiano ter recusado a entrada de mais de 600 migrantes resgatados no Mediterrâneo.

Francisco exorta os países a darem uma resposta concreta e digna ao desafio humanitário, pedindo uma mudança de mentalidades.

O alerta feito numa mensagem enviada pelo papa Francisco aos participantes do II Colóquio da Sé - México sobre a migração internacional, que decorre no Vaticano, promovida pela Secretaria de Relações com os Estados e a embaixada do México na Santa Sé.

"Todos eles esperam que tenhamos a bravura para destruir o muro dessa cumplicidade cómoda e muda que agrava a sua situação de desamparo e que coloquemos neles a nossa atenção, a nossa compaixão e dedicação", disse.

Francisco afirmou que para dar resposta ao fenómeno da migração atual, é necessária a ajuda de toda a comunidade internacional. "Esta cooperação internacional é importante em todas as etapas da migração, desde o país de origem até ao destino", disse.

"Em cada um destes passos, o migrante é vulnerável, sente-se só. Tomar consciência disto é de uma importância capital se se quer dar uma resposta concreta e digna a este desafio humanitário", sublinhou.

A mensagem foi lida na abertura do evento pelo secretário das Relações com os Estados, Paul Richard Gallagher.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.