A+ / A-

A impossibilidade do amor romântico no palco do S. Luiz

14 jun, 2018 - 07:36

Cláudio da Silva e Cristina Alfaiate representam uma Cinderela e um príncipe dos tempos modernos.
A+ / A-

A impossibilidade de um casal resolver as assimetrias decorrentes do seu estrato social de origem e de viver um amor romântico sustentam "Cinderela", peça que estreia dia 19, no Teatro Municipal S. Luiz, em Lisboa.

Com esta peça escrita há dois anos, mas só agora levada ao palco, Lígia Soares pretendeu fazer uma metáfora aos contos de fadas que povoaram o imaginário de muitas crianças, para mostrar que, apesar de na sociedade atual as diferenças sociais se encontrarem mais "esbatidas, as relações conjugais não servem de motor para a ascensão social", explicou à agência Lusa a autora do texto.

"Atualmente, não há, de uma forma geral, tanta oposição como havia no passado contra uniões de casais provenientes de estratos sociais diferentes, mas, no entanto, há uma consciência implícita, mesmo entre os cônjuges, da impossibilidade de resolução desta assimetria resultante da proveniência de estrato social", referiu.

"Cinderela" é assim uma peça de teatro em que Lígia Soares se aproxima das teorias de reprodução social defendidas pelo filósofo e sociólogo francês Pierre Bordieu, um dos pensadores ligados à corrente sociológica do estruturalismo construtivista.

Cláudio da Silva e Cristina Alfaiate - que interpretam a peça e que a criaram em conjunto com Lígia Soares - representam assim uma Cinderela e um príncipe dos tempos modernos, um casal "atingido permanentemente por um conflito latente", que reflete o "amor não romântico que pauta as relações atuais", segundo Lígia Soares.

"Apesar de serem um casal em permanente diálogo - e o público só tem acesso a eles através dos diálogos que mantêm, já que é uma peça parada e sem ação -, eles estão sempre a questionar-se a eles e à relação que mantêm", observou.

Nem um nem outro obtém, em qualquer momento da relação, a ideia de "satisfação ou de plenitude", disse Lígia Soares, frisando que, "em momento algum do diálogo, conseguem compreender-se a cem por cento um ao outro".

"'Cinderela' tem muito do cinismo que pauta as relações atualmente; porque o casal até pode aparentar ser muito feliz, para poder constituir um modelo, mas, no seu íntimo, [eles] estão sempre insatisfeitos", conclui a autora do texto.

Em cena na sala Mário Viegas, de 19 a 24 de junho, com espetáculos de terça-feira a sábado, às 21h00, e, aos domingos, às 17h30, "Cinderela" terá dois ensaios abertos ao público - nos próximos sábado e domingo, às 11h30, no âmbito da iniciativa "Os dias do público" -, a decorrer a partir de sexta-feira e durante este fim de semana, no S. Luiz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.