A+ / A-

Venezuela. Igreja exige libertação de presos políticos

13 jun, 2018 - 23:32

Só depois admite reunir-se com o Presidente Maduro.
A+ / A-

A Igreja católica da Venezuela exige que sejam libertados os presos políticos e encontradas soluções para a crise humanitária no país, como condições para aceitar reunir-se com o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

"Todos os presos políticos devem ser libertados (...) deve resolver-se o problema da crise de alimentos, que é outra das coisas que temos pedido", disse o arcebispo de Caracas.

Em declarações aos jornalistas, Jorge Urosa Savino, explicou que para que os representantes da Igreja católica aceitem reunir-se com Nicolás Maduro, devem ainda terminar "os ataques aos sacerdotes, que são assediados pelo Governo" e pelos seus simpatizantes.

O Presidente venezuelano tem apelado para reuniões com os principais setores da sociedade para debater a situação do país.

A Igreja católica venezuelana tem defendido insistentemente a abertura de um canal humanitário em matéria de alimentos e medicamentos, produtos que escasseiam no país, o que lhe tem valido acusações de estar a apoiar a oposição.

O Governo venezuelano, por outro lado, recusa a abertura de um canal humanitário internacional, insistindo que essa possibilidade daria lugar a uma "invasão militar", disfarçada de um programa de ajuda.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas da população sobre dificuldades para conseguir produtos básicos como alimentos e medicamentos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.