O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Governo português aconselha viajantes a evitarem zonas de Moçambique

13 jun, 2018 - 21:59

Em causa ataques atribuídos a "um movimento insurgente de matriz islâmica" na província de Cabo Delgado.
A+ / A-

O Governo português aconselha os viajantes a evitarem a permanência em várias zonas da província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, afetadas por ataques atribuídos a "um movimento insurgente de matriz islâmica", restringindo as deslocações ao imprescindível.

O aviso aos viajantes portugueses foi atualizado no portal da Comunidades Portuguesas do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Segundo o aviso, "a instabilidade e insegurança" na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, "impõem cuidados de segurança adicionais", uma vez que "têm sido noticiados vários ataques e incidentes graves" na região, nomeadamente nos distritos de Mocímboa da Praia, Macomia, Palma, Nangade, Quissanga e Pemba.

Os ataques são "alegadamente praticados por um movimento insurgente de matriz islâmica".

Face a este cenário, é desaconselhada "a permanência nas áreas mais afetadas" e recomendado que "as deslocações se limitem ao imprescindível", devendo, em caso de dúvida, "ser estabelecido um contacto com as entidades consulares".

A vila de Mocímboa da Praia e aldeias do meio rural da província de Cabo Delgado têm sido alvo de ataques de grupos armados desde outubro de 2017, causando um número indeterminado de mortes e deslocados.

Um estudo divulgado recentemente em Maputo aponta a existência de redes de comércio ilegal na região e a movimentação de grupos radicais islâmicos, oriundos de países a norte, como algumas das raízes da violência.

Na terça-feira, residentes e autoridades locais disseram à Lusa que grupos armados que têm atacado aldeias no norte de Moçambique, provocando vários mortos, eram suspeitos de ter assassinado mais três pessoas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.