O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

LNEC volta a estudar eventual contaminação na ilha Terceira

18 jun, 2018 - 14:39 • Ana Rodrigues

A contaminação de solos e águas terá sido provocada pela força aérea norte-americana em 2005 e confirmada em 2009.
A+ / A-

O Governo vai avançar esta segunda-feira com mais uma investigação na Ilha Terceira, nos Açores, para estudar a contaminação provocada pela força aérea norte-americana na Base das Lajes.

Em entrevista à Renascença no passado dia 13 de junho, o ministro da Defesa referiu que os trabalhos conduzidos pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e pelo Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC) iam avançar dentro de poucos dias. Esta segunda-feira, foi oficialmente anunciado o início dos novos trabalhos sobre a potencial contaminação de solos e aquíferos na Terceira.

Na entrevista da semana passada, Azeredo Lopes tinha avançado que os trabalhos das duas entidades contratadas pela Defesa para fazer indagações que permitem comprovar, ou não, alegações sobre contaminações iam ter início "já antes do fim do mês”.

A investigação foi saudada pelo deputado do PSD eleito pela ilha Terceira, António Ventura, que vê, no entanto, como melhor opção uma investigação conduzida por uma entidade externa - ideia, aliás, que o grupo parlamentar vai levar à Assembleia da República em forma de requerimento.

Em causa, recorde-se, está a contaminação de solos e aquíferos em locais já identificados em 2005 pelos próprios norte-americanos e confirmados em 2009 pelo LNEC.

António Ventura questiona também o “otimismo” que o ministro da Defesa revelou à Renascença quanto aos resultados da última reunião da Comissão Bilateral permanente que decorreu em maio, em Washington. Nesse encontro, segundo Azeredo Lopes, "foram feitos avanços significativos na questão da descontaminação, tanto pela parte portuguesa como pelos Estados Unidos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.