O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Manuel Cajuda

​Do banco para os microfones

13 jun, 2018 - 09:15

Manuel Cajuda aceitou o desafio de comentar o Mundial 2018 para a Renascença. "Farei o possível para utilizar uma fraseologia que vos permita ver o jogo e não a que vos faça entender que sei muito de futebol", compromete-se o treinador.
A+ / A-

O convite da Renascença para “ver” e partilhar, através do som (palavras), o Campeonato do Mundo a disputar na Rússia provoca-me um orgulho sem limites. Só o simples facto de poder fazer parte desta equipa fantástica já diz tudo daquilo que vai ser a minha emoção e o meu amor em criar interesse em quem nos irá ouvir.

Mas propõe-me também uma profunda reflexão sobre a situação do “fazer” rádio, meio de comunicação eminentemente sonoro, numa sociedade onde a imagem se mostra cada vez mais relevante.

A imagem parece ser o que rege agora as nossas vidas. Seja na informação, no entretenimento, na comunicação, nada mais parece satisfazer-nos se não estivermos “casados” com a imagem, se não olharmos um conteúdo devidamente ilustrado. A imagem está cada vez mais presente. televisão, a internet, os jornais impressos, as revistas e até mesmo na comunicação corriqueira e rotineira do nosso dia a dia. Ouvir uma voz conhecida ao telefone já não nos basta, o nosso anseio é olhar a pessoa com a qual estamos a conversar.

Na internet, os chats (salas de bate-papo) perdem seus usuários, aos poucos, para os programas de conversação que permitem exibição de imagens, como o WhatsApp e o Skype, entre outros.

Desafio enorme, portanto, para esta fantástica equipa da Renascença em partilhar com os ouvintes, através do som (palavras), a imagem da classe que esperamos todos a nossa seleção venha a exibir.

A minha promessa é tentar comunicar de forma simples, porque tudo o que é simples é belo. O futebol também o é, embora complexo e totalmente imprevisível. Farei o possível para utilizar uma fraseologia que vos permita “ver” o jogo e não a que vos faça entender que sei muito de futebol.

Boa sorte, portugueses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Augusto Saraiva
    14 jun, 2018 Maia 10:59
    Bem-Haja; Boa Escolha! Trata-se de um grande treinador, respeitador dos adversários e amante do futebol. Ao contrário do que disse, decerto que aprenderemos muito com ele neste Mundial. Bom trabalho Sr. Manuel Cajuda e boa sorte para Portugal!