A+ / A-
Casa Pia de Lisboa

Tribunal Europeu condena Portugal a indemnizar Paulo Pedroso

12 jun, 2018 - 10:37

Antigo ministro do PS vai receber 68 mil euros por ter sido preso preventivamente sem justificação.
A+ / A-

Portugal foi condenado a pagar 68 mil euros ao ex-ministro do PS Paulo Pedroso. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos considera que a sua detenção, feita no âmbito do caso Casa Pia de Lisboa, teve lugar sem que os argumentos que justificavam as suspeitas de abuso de menores no seu caso, fossem relevantes ou suficientes.

Numa nota emitida nesta terça-feira, no site do tribunal europeu, lê-se que “as autoridades judiciais portuguesas falharam” ao não encontrar “medidas alternativas” à prisão preventiva de Pedroso, ocorrida entre maio e outubro de 2003. Pedroso acabaria por não ser levado a julgamento neste caso.

O tribunal lembra também que foi negado o acesso de Paulo Pedroso a peças essenciais dos testemunhos das vítimas que lhe podiam ter sido disponibilizados sem comprometer a identidade dos menores.

A decisão do tribunal, tomada por quatro votos contra três, determina o pagamento de 14 mil euros por danos pecuniários. Unânime foi a decisão de pagamento de 13 mil euros por danos não pecuniários e de 41 mil e 500 euros por custas judiciárias. O Estado português tem agora três meses para pagar a indemnização.

O chamado caso Casa Pia de Lisboa veio a público em 2002, quando um antigo aluno daquela instituição gerida pelo Estado revelou ter sofrido abusos sexuais quando era jovem. A Polícia Judiciária estima que mais de uma centena de jovens e crianças possam ter sido abusados sexualmente. O caso arrastou-se por quase uma dezena de anos e resultou na condenação de seis arguídos a penas de prisão efetiva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 12 jun, 2018 palmela 11:30
    Nos e que vamos pagar isto? Xulos do povo?
  • benjamin
    12 jun, 2018 famalicão 11:02
    A Justiça portuguesa envergonhou-nos e continua a envergonhar-nos, é o que apraz dizer. Acusações e prisões não sustentadas, apenas e só, ao que parece, movidas por questões ideológicas