A+ / A-

Ministro português: “A diplomacia venceu a lógica da confrontação”

12 jun, 2018 - 09:45

Presidente dos Estados Unidos e o líder da Coreia do Norte reuniram-se num encontro sem precedentes, na cidade Estado de Singapura. Documento conjunto refere desnuclearização por parte de Pyongyang.
A+ / A-

“A diplomacia venceu a lógica da confrontação”. É assim que o ministro dos Negócios Estrangeiros português comenta a Cimeira de Singapura que juntou Donald Trump e Kim Jong-Un.

À Renascença, Augusto Santos Silva disse que a declaração agora assinada pelos líderes da Coreia do Norte e dos Estados Unidos representa uma vitória da paz.

“Parece-me um resultado bastante positivo. Em primeiro lugar, a diplomacia venceu a lógica da confrontação. Em segundo lugar, pelo que já se sabe dos dois compromissos: o da Coreia do Norte de se envolver na total desnuclearização da Península da Coreia e do compromisso dos Estado Unidos de garantir as condições de segurança nessa zona”, afirmou.

Na opinião do ministro esta é, sobretudo, uma vitória de todos aqueles que na região contribuíram para este avanço. “Quero salientar o contributo do Presidente da Coreia do Sul assim como da China e do Japão. Pois a nuclearização da Coreia do Norte representa uma das ameaças principais com que se confronta a ordem internacional”.

Augusto Santos Silva fala em “avanços do ponto de vista da paz e da segurança mundial”.

O Presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano assinaram "um importante e detalhado documento", segundo Donald Trump, e que permitirá ao "mundo ver uma grande mudança", sublinhou Kim Jong-un.

Este último reafirmou o compromisso de “desnuclearização completa da Península da Coreia”, de acordo com o texto conjunto assinado, esta terça-feira, com o Presidente norte-americano na Cimeira de Singapura.

Já os Estados Unidos garantem a segurança da Coreia do Norte. “O Presidente Trump compromete-se a fornecer as garantias de segurança” à Coreia do Norte, indica a informação sobre o documento conjunto.


Do aperto de mão à palmada nas costas. As imagens do encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un
Do aperto de mão à palmada nas costas. As imagens do encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un

A cimeira histórica começou com um simbólico aperto de mão entre Donald Trump e Kim Jong-un.

Este foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang.

Esta reunião ocorre depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.