O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

TPI anula condenação de "senhor da guerra" do Congo

09 jun, 2018 - 00:44

Juíza Christine considera que Jean-Pierre Bemba não pode ser considerado culpado por crimes de guerra cometidos pelas tropas que enviou para a vizinha República Centro-Africana, entre 2002 e 2003.
A+ / A-

O Tribunal Penal Internacional (TPI) anulou a condenação por crimes de guerra contra Jean-Pierre Bemba, o antigo vice-presidente da República Democrática do Congo.

A juíza Christine Van den Wijngaert considera que o “senhor da guerra”, que no passado liderou a oposição no país, não pode ser considerado culpado por crimes cometidos pelas tropas que enviou para a vizinha República Centro-Africana, entre 2002 e 2003.

O tribunal não teve em linha de conta os esforços de Jean-Pierre Bemba para tentar impedir os massacres cometidos pelo seu Movimento para a Libertação do Congo (MLC), refere a magistrada.

Em 2016, o político congolês tinha sido condenado pelo TPI a 18 anos de prisão por crimes de guerra, nomeadamente assassinatos, violações e pilhagens cometidos pelo MLC.

A anulação da sentença já foi criticada pela organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI), que fala num “rude golpe” para as vítimas de uma “campanha horrível de violação e violência sexual”.

O procurador do TPI Fatou Bensouda considera que a decisão é “lamentável e preocupante”.

Jean-Pierre Bemba deverá ser libertado dentro em breve. Continua a ser um político popular no seu país e ainda pode ter uma palavra a dizer no xadrez político da República Democrática do Congo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.