A+ / A-

Quatro Juve Leo em prisão preventiva

08 jun, 2018 - 20:00

Os quatro detidos, Fernando Mendes, antigo chefe da claque do Sporting, "Aleluia", Nuno Torres e Joaquim Costa, estiveram, esta sexta-feira, a ser ouvidos no Tribunal do Barreiro.
A+ / A-

Foram confirmadas, esta sexta-feira, as medidas de coação a aplicar aos suspeitos detidos, na quarta-feira, por suspeitas de participação no ataque em Alcochete. Os quatro membros da Juventude Leonina aguardarão o desenvolvimento do inquérito em prisão preventiva.

Os quatro detidos, Fernando Mendes, antigo chefe da claque do Sporting, "Aleluia", Nuno Torres e Joaquim Costa, estiveram, esta sexta-feira, a ser ouvidos no Tribunal do Barreiro. Só Joaquim Costa não prestou declarações no primeiro interrogatório. O Ministério Público (MP) tinha pedido prisão preventiva para os quatro suspeitos. O juiz de instrução criminal local confirmou a medida.

Em comunicado distribuído aos jornalistas, o tribunal justificou a aplicação da medida de coação mais gravosa com os "tipos de crime que lhes são imputados" e por se verificarem perigo de fuga, perturbação do inquérito, "continuação da atividade criminosa, bem como de grave perturbação da ordem e tranquilidade públicas".

O juiz argumentou, ainda, que a decisão foi assente na "natureza dos ilícitos em causa" e na "visibilidade social que a prática dos mesmos implica, considerando, principalmente, o aumento do número e da gravidade dos comportamentos associados ao fenómeno desportivo".

A 15 de maio, cerca de 40 adeptos encapuzados, alegadamente afetos ao Sporting, invadiram a Academia de Alcochete e agrediram os jogadores e equipa técnica do clube. Na altura, a GNR deteve 23 elementos, que também se encontram em prisão preventiva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.