A+ / A-
Henrique Monteiro

"Comissão não serve para promover nem para destituir, mas para fiscalizar"

31 mai, 2018 - 22:07

Em entrevista a Bola Branca, o jornalista estabelece como prioridade “resolver a crise institucional” do emblema leonino.
A+ / A-

Henrique Monteiro é um dos elementos nomeados por Jaime Marta Soares para fazer parte da Comissão de Fiscalização que vai substituir o demissionário Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting.

Em entrevista a Bola Branca o jornalista atribuir como prioridade “resolver a crise institucional” do clube, saber “quem tem legitimidade e quem não a tem” neste diferendo, mas que tal só será possível se assim quiserem os protagonistas, pois como diz, a comissão criada não serve “para promover, nem para destituir, mas sim para fiscalizar de acordo com os estatutos”.

Henrique Monteiro que “não esperava esta nomeação” não sabe ainda em que local este grupo de cinco elementos irá funcionar. Além do jornalista, fazem ainda parte o economista João Duque, o investigador Luís Pinto de Sousa e os advogados Rita Garcia Pereira e António Paulo Santos, pessoas que “não participaram nas questões que envolveram o Sporting ultimamente”.

As dúvidas lançadas em torno da realização, dia 23 de junho, da Assembleia Geral, ainda não podem ser desfeitas, porque como afirma Henrique Monteiro a comissão só se pronunciará “se alguém apresentar queixa”.

O jornalista defende Jaime Marta Soares sustentando que este “se tem esforçado por aplicar e tem interpretado bem os estatutos do clube”.

Quanto a Bruno de Carvalho, uma certeza, “não soube valorizar os ativos, que são os jogadores” diz Henrique Monteiro, assumindo uma posição pessoal. Contudo, se o presidente leonino “conseguir fazer o que parece impossível, ótimo”.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.