A+ / A-

Parlamento aprova canábis para fins terapêuticos

30 mai, 2018 - 15:00

O texto conjunto foi aprovado com a abstenção do PCP e do CDS e votos a favor das restantes bancadas. O autocultivo da planta não recebeu luz verde dos deputados.
A+ / A-

A comissão parlamentar de Saúde aprovou esta quarta-feira a utilização de canábis para fins terapêuticos. O autocultivo da planta, pelo contrário, não recebeu luz verde dos deputados.

O texto conjunto foi aprovado com a abstenção do PCP e do CDS e votos a favor das restantes bancadas. Ao projecto inicial do Bloco de Esquerda juntaram-se algumas alterações.

De acordo com o diploma, será possível a qualquer médico de qualquer especialidade prescrever medicamentos e preparações e substâncias à base da canábis para fins terapêuticos, entre os quais estão óleos e a flor desidratada.

Por proposta do PCP, o Laboratório Militar poderá também contribuir para a produção dos medicamentos e preparações.

Ficou assente que a prescrição de medicamentos só poderá acontecer se os medicamentos convencionais tiverem efeitos adversos ou não tiverem os efeitos que era suposto.

Esta alteração também foi proposta pelo PSD e teve o voto contra de Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda.

“Consideramos que não cabe à lei limitar a decisão clínica, mas ela constará da decisão final porque foi assim a maioria expressa no Parlamento. Acreditamos que, ainda assim, uma versão que diga claramente que a canábis pode ser utilizada para fins medicinais é uma boa versão e era um passo necessário. Certamente que, depois, os clínicos farão a avaliação caso a caso, patologia a patologia e decidirão em conformidade que é a sua decisão clínica”, afirma o deputado bloquista.

O texto conjunto aprovado esta quarta-feira pela comissão de saúde segue agora para o plenário para votação final global. O expectável é que as bancadas mantenham aí o mesmo sentido de voto.

Para o diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) esta aprovação é muito importante, mas sublinha que o primeiro passo foi dado com a separação dos usos terapêutico e recreativo.

“Fiquei francamente satisfeito quando houve uma separação da discussão em torno do uso terapêutico da canábis, da discussão do seu uso social ou recreativo. Aquilo que estavam em questão era o uso terapêutico”, disse.

Em declarações à Renascença, João Goulão acrescenta que “era importante que houvesse uma indicação clara das vantagens de introduzir este tipo de produtos. Há alguma evidência científica de que há vantagens na utilização em determinadas circunstâncias. É importante que possam estar disponíveis e passíveis de prescrição pelos médicos aos doentes que para ela tenham prescrição”.

Por isso, Goulão fica “satisfeito com esta aprovação”.

[Atualizado às 17h50 - reação de João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Oliveira
    30 mai, 2018 Casal de Cambra 20:23
    Infelizmente tarde demais para muitos. Mas foram dois dias com duas boas notícias... Não legalizaram a eutanásia e vão legalizar a canábis medicinalmente! Graças a Deus bem ajam
  • Anónimo
    30 mai, 2018 19:18
    Mais uma vez o PCP alia-se à extrema-direita, colocando-se assim do lado errado da história.
  • fanã
    30 mai, 2018 aveiro 18:16
    Mais uma vez assistimos em duas votações , a invulgar aliança entre os dois extremos das bancadas da A.R. O que me leva a tirar a conclusão que estes dois últimos temas , beneficiaram destas duas oposições não por convicção mas por esquema puramente Politico . A, A.R é cada vez menos credível , com sessões no meu ver e acordos pré combinados. Quanto a especial hipocrisia do P:C:P é altamente notável , O C.D.S, já sabemos desde há muito o que vale , ou melhor "não vale" !