A+ / A-

Cavaco quebra o silêncio. Legalizar a eutanásia é "a decisão mais grave" para a sociedade

25 mai, 2018 - 17:00 • Eunice Lourenço , Inês Rocha

O antigo Presidente declara-se contra a legalização da eutanásia e avisa que não irá votar em partidos que a apoiem.
A+ / A-
Veja aqui a declaração de Cavaco Silva contra a eutanásia
Veja aqui a declaração de Cavaco Silva contra a eutanásia

O ex-Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, faz ouvir a sua voz contra a eutanásia. Até agora remetido ao silêncio sobre questões políticas, Cavaco Silva fez uma declaração à Renascença em que considera que a legalização da eutanásia "é a decisão mais grave" que os deputados podem tomar.

A gravidade é tal que o ex-Presidente diz mesmo que não irá votar nas legislativas do próximo ano em partidos que venham a apoiar a legalização e que manifestará isso mesmo àqueles que lhe são próximos.

“Como cidadão, sem responsabilidades políticas, o que posso fazer para manifestar a minha discordância é fazer uso do meu direito ao voto contra aquelas que votarem a favor da eutanásia. Nas eleições legislativas de 2019 não votar nos partidos que apoiarem a legalização da eutanásia e procurar explicar àqueles que me são próximos para fazer a mesma coisa”, diz o ex-líder do PSD.

A legalização da eutanásia será discutida no Parlamento na próxima terça-feira. Vão estar em debate projetos do Bloco de Esquerda, do PAN, dos Verdes e do PS.

O PCP e o CDS vão votar contra. O PS e o PSD dão liberdade de voto, pelo que não é possível prever o resultado da votação que será nominal, ou seja, cada deputado será chamado pelo nome para dizer qual é o seu voto. No PSD, apesar de o atual líder, Rui Rio, ser favorável (e até ter assinado o manifesto que está na origem deste processo legislativo), a maioria dos deputados irá votar contra.

Para Cavaco Silva, esta será “uma votação com tais consequências para a sociedade portuguesa” que ele, como eleitor, e todos os cidadãos não podem “esquecer o que os deputados fizerem agora”.

O antigo chefe de Estado questiona como é que os deputados podem aprovar a legalização da eutanásia quando não receberam mandato para isso nas legislativas de 2015.

“O que está em causa é a vida humana, o bem mais precioso de cada individuo”, diz o antigo Presidente, questionando: “Como podem os deputados ignorar o parecer dos profissionais de saúde, os enfermeiros e os médicos que lidam com a vida e com a morte? Como podem ignorar o parecer do conselho nacional de ética para as ciências da vida? Como podem os deputados ignorar a posição das várias religiões em que os portugueses se reveem e que se juntaram para condenar a legalização da eutanásia?”

Estas, diz Cavaco, “são questões que os deputados não podem deixar de colocar à sua consciência”, mas são também perguntas que cada eleitor deve fazer.

“Cada português deve pensar bem o que significa uma pessoa, um médico, ser autorizado por lei da Assembleia da República a matar outra pessoa. Se tal acontecer, a nossa sociedade rompe uma barreira e dá um salto no desconhecido muitíssimo perigoso”, avisa o antigo Presidente, que rompe o seu habitual silêncio.

“Estando em causa a defesa do primado da vida humana, entendi que devia fazer uso das duas armas que me restam como cidadão: a minha voz, não ficando calado, e o meu direito de voto na escolha dos deputados nas próximas eleições legislativas”, justifica Aníbal Cavaco Silva.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Thereza Ameal
    28 mai, 2018 Lisboa 10:16
    Muito, muito, muito obrigada pela clareza e pela coragem! Isto é o que TODOS nós deveríamos fazer. E é, certamente o que eu farei: não votar em Partidos ou Deputados que façam ou proponham leis que em vez de protegerem, matem. E tentar convencer os outros a fazer o mesmo.
  • fanã
    26 mai, 2018 aveiro 18:31
    Este , triste e pior Presidente que houve até a data , ainda não deu conta que foi varrido da memória colectiva ???.........Vá de Ferias para a sua humilde casinha do Algarve e faça-se esquecer que é melhor !
  • fanã
    26 mai, 2018 aveiro 17:36
    Triste personagem que varri da minha memoria desde há muito . O silencio até hoje , desta criatura , foi saudável , mas é como tudo, insiste em importunar a grandessíssima maioria dos Portugueses com os seus tiques anti -democráticos !.......... O pior Presidente de sempre !
  • rm
    25 mai, 2018 22:31
    Quando se ajuda alguém a sair de um sofrimento horrível, sem solução médica possível, respeitando o desejo e a liberdade de decisão do próprio doente, isto é o quê ? É egoismo? Não.É óbvio que é Compaixão. Compaixão significa não suportarmos a dor do outro e tudo fazermos para a atenuar - papel do médico. Não é matar é cessar um sofrimento estúpido e inútil. E para quem acredita, eventualmente, possibilitar uma experiencia de felicidade noutros estados de existencia. Se for aprovada, a lei não obriga ninguem a usa-la.
  • João Lopes
    25 mai, 2018 Viseu 19:42
    A eutanásia e o suicídio assistido continua a ser homicídio mesmo que a vítima o peça, tal como a escravatura é sempre um crime, mesmo que uma pessoa quisesse ser escrava! Com a legalização da eutanásia e do suicídio assistido, o Estado declararia que a vida de pessoas doentes e em sofrimento não lhe interessa, e não as protege. A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros, existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • Anónimo
    25 mai, 2018 18:31
    A decisão mais grave para a sociedade portuguesa foi terem votado em ti quer para primeiro-ministro quer para presidente. Triste povo burro que temos.