O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Luísa Costa Gomes

A Costa da Caparica dos escritores é também lugar de exclusão

24 mai, 2018 - 17:10 • Maria João Costa

A escritora Luísa Costa Gomes lança este sábado, na feira do livro de Lisboa, “Da Costa – Praias e Montes”, um retrato que escreveu para a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-

“Da Costa – Praias e Montes”, primeiro parágrafo, escreve Luísa Costa Gomes: “Não é a primeira vez, e espero não seja a última, que me meto a escrever sobre coisas de que nada sei. É uma forma um bocado trabalhosa de aprender”.

A autora explica que quando lhe interessa alguma coisa vai estudar. Diz Luísa Costa Gomes: “estamos muito mais disponíveis do ponto de vista da aprendizagem”. A escritora compara o processo de busca ao do “ensaio, da peça de teatro ou do romance”. Foi isso que lhe serviu de incentivo para escrever este retrato para a Fundação Francisco Manuel dos Santos. O convite que partiu de António Araújo, “foi em aberto”, mas a autora acabou por decidir escrever sobre o sitio onde vive

“A história na Caparica, no caso da Costa é uma história de uma certa exclusão. As primeiras comunidades que se estabeleceram ali vinham de outros sítios, mas a característica remota da Costa da Caparica permaneceu durante todo o século XIX até meados do século XX. E ainda hoje toda aquela margem sul mantém todo esse estigma da outra margem.”

Neste livro que cheira a mar, Luísa Costa Gomes explora o território a que chama casa, o espaço onde costuma dar os seus passeios à beira-mar. Ali encontrou várias histórias que vão dos corpos bronzeados do areal até ao monte rochoso, passando pelas gentes de trabalho, da pesca e da arte Xávega. Mas há também uma Costa da Caparica literária.

“Temos lá muitos nomes e eu não pus todos no livro” afirma Luísa Costa Gomes que enumera José Cardoso Pires, Maria Isabel Barreno, David Mourão Ferreira “que passava férias nos Capuchos e escreveu lá coisas” ou a Maria Teresa Horta que contou a Luísa Costa Gomes a história “da descoberta da luz nas praias da Costa da Caparica”.

Para a autora de “Da Costa – Praias e Montes” a sua “abordagem à Costa da Caparica é literária”, não quis com este retrato assumir um papel que não é seu de “antropóloga”. Luísa Costa Gomes diz mesmo que “não sou nada, sou escritora e ficcionista” e aquilo que lhe interessou foram “os aspetos literários e das vivências dos escritores que por lá passaram”.

Este retrato da Costa da Caparica é apresentado este sábado na Feira do Livro de Lisboa às 16h30, na Praça Azul, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, onde haverá um debate com a presença da autora. “Que histórias se escondem por detrás dos areais da Costa da Caparica”, será uma conversa moderada pela jornalista Isabel Lucas com a presença de Abel Barros Baptista.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.