A+ / A-
Eutanásia

Maioria quer investimento nos cuidados paliativos, não na eutanásia

18 mai, 2018 - 13:26

É a conclusão de um inquérito encomendado pela Plataforma Pensar e Debater, a poucos dias de o Parlamento começar a votar vários projetos de lei sobre a legalização da morte assistida.
A+ / A-

A maioria dos portugueses defende que deve ser dada prioridade ao investimento nos cuidados paliativos e não à legalização da eutanásia.

É esta a principal conclusão de uma sondagem feita para a Plataforma Pensar e Debater, a poucos dias de o parlamento votar vários projetos de lei sobre a legalização da eutanásia.

O estudo sobre o que os portugueses pensam sobre a morte assistida, cujos resultados foram divulgados esta sexta-feira, foi conduzido junto de 624 pessoas. Dessas, 75% defendem que deve ser dada primazia ao investimento nos cuidados paliativos e apenas 17% elegem a legalização da eutanásia como prioritária.

As conclusões foram reveladas numa conferência organizada pela Plataforma Pensar e Debater, uma das associações da sociedade civil que é contra a legalização da eutanásia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 mai, 2018 Viseu 16:02
    A eutanásia e o suicídio assistido continua a ser homicídio mesmo que a vítima o peça, tal como a escravatura é sempre um crime, mesmo que uma pessoa quisesse ser escrava! Com a legalização da eutanásia e do suicídio assistido, o Estado declararia que a vida de pessoas doentes e em sofrimento não lhe interessa, e não as protege. A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros, existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • fanã
    18 mai, 2018 aveiro 18:18
    Unidades de cuidados continuados , Unidades de cuidados paliativos , serviços de Saúde Publica suficientes e ao serviço de todos ( do mais abastado ao mais pobre) são no contexto actual quase utopias !...........Quanto aos Cuidados Paliativos em todas as regiões e Distritos , bem!!!!!.................no meu ver podemos esperar sentados , primeiro a Banca , não é Sr. Centeno ?????.......................Portanto , prefiro que acabem com o meu sofrimento , com o meu pedido formal e consciente , e que me deixem morrer sem dor ( física e psíquica) ajudando-me no momento que decidir !