O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Barbosa da Cruz

Substituir Bruno de Carvalho "vai ser conturbado"

18 mai, 2018 - 11:39 • João Fonseca

O antigo dirigente apela à união dos sportinguistas contra aqueles que "estão agarrados ao poder". De olhos na final da Taça de Portugal, Barbosa da Cruz pede aos sócios que dêem uma prova de gratidão ao plantel comandado por Jorge Jesus.
A+ / A-

O antigo dirigente do Sporting Carlos Barbosa da Cruz contraria a posição assumida, na noite de quinta-feia, por Bruno de Carvalho, considerando que o presidente e restantes elementos que o acompanharam na sala de imprensa "estão agarrados ao poder".

"O processo de substituição vai ser conturbado", antevê Barbosa da Cruz, em declarações a Bola Branca.

“O facto de dizerem que não estão agarrados ao poder não significa que não estejam. A minha leitura é que estão, efetivamente, agarrados ao poder. A nação sportinguista não um modelo de pró-atividade. É dedicada, é sofredora, mas não pró-ativa. E agora tem de ser. Face aos perigos que, neste momento, pairam sobre o clube, de natureza institucional, identitária, desportiva e financeira, os sportinguistas têm de se unir. Os sportinguistas têm de se revoltar e afirmar a defesa dos seus valores", declara o antigo dirigente.

Barbosa da Cruz defende que o momento aconselha a que não se repitam erros do passado, como a multiplicação de "divisões nas quais o clube, infelizmente, é tão pródigo".

Sem querer assumir contactos que visem a formação de uma lista preparada para avançar em caso de necessidade, o antigo dirigente assume que "se houver uma união de pessoas qualificadas, que tenham vida para além do clube, mas que se disponham a defender e a ajudar o clube neste momento tão crítico", não deixará de "dar o contributo".

Sobre o futuro imediato, Barbosa da Cruz levanta algumas questões: “Quem é o jogador que, no seu perfeito juízo, quer jogar no Sporting com um presidente destes? Ou com isto tipo de ambiente? Quem é o investidor que investe no Sporting com este tipo de instabilidade? Quem é o treinador que quer ir para o Sporting e se arrisca a ser, pura e simplesmente, criticado nos jornais da forma que foi?"

Apelo para a final da Taça

Carlos Barbosa da Cruz confia num bom desempenho dos profissionais do Sporting, no Jamor, mas diz estar preparado para qualquer desfecho, fruto da semana atípica que se viveu.

"Os jogadores podiam não jogar face ao que aconteceu e ninguém os podia censurar. Tinham mais que fundamentos para não jogar. Acho que o fazem, não em respeito pela atual direção do Sporting, mas em respeito pelos adeptos e pelo que o clube representa. Acho que isto tem de ser devidamente apreciado e agradecido", declara.

O antigo dirigente faz um apelo aos adeptos que se deslocarem ao Estádio Nacional: "Espero que os adeptos do Sporting, independentemente do resultado, dêem uma lição de sportinguismo e aplaudam os seus atletas. Que eles se sintam apoiados, acarinhados e, talvez, tentados a ficar no clube e cumprir os seus contratos".

Processo de alegada corrupção

O envolvimento de funcionários do Sporting num alegada esquema de corrupção desportiva é outro tema que causa bastantes incómodos a Barbosa da Cruz. O ex-dirigente assume ter dificuldades em abordar um assunto que pode ficar inscrito como mais um episódio negro na história do clube verde e branco.

"Eu não tenho 'chip' para isto. É de tal forma inesperado e contrário aos valores e princípios do Sporting, que não sei o que lhe diga. Aquilo que aguardo serenamente, e também com uma ponta de angústia e ansiedade, é o desenrolar da investigação em curso. Só desejo que, em primeiro lugar, não hajam ilícitos e se houver que sejam da iniciativa das pessoas que os tomaram e nunca com uma raiz ou matriz institucional. Isso seria mais um momento absolutamente negro na história do clube", diz Barbosa da Cruz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.