O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

O sino toca a rebate. É sinal de incêndio

18 mai, 2018 - 08:50 • Olímpia Mairos

“Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, da Autoridade Nacional de Proteção Civil, está a ser implementado em todo o país. A figura central nestes cenários é o Oficial de Segurança.
A+ / A-

António Barreira, de 52 anos, aceitou ser Oficial de Segurança. É ele que assume, no âmbito do programa “Aldeia Segura, Pessoas Seguras”, a segurança e a evacuação da Gestosa, aldeia do concelho de Vinhais, em caso de incêndio. Para dar a conhecer o programa e a forma como vai funcionar, reuniu-se a população da aldeia e foi feito um simulacro acompanhado pela Renascença.

O sino toca a rebate. É o sinal de alarme. Há fogo junto à aldeia da Gestosa, no Parque Natural de Montesinho. Urge colocar a população em segurança. É a António Barreira, o Oficial de Segurança, que cabe emitir avisos, alertar para a ameaça causada pelo incêndio, organizar a evacuação das habitações e garantir que todas as pessoas chegam aos abrigos e ao refúgio, onde existe comida e água.

“Atenção pessoal, está a deflagrar um incêndio muito perto da aldeia, peço que ninguém saia daqui. Ninguém mexe nas viaturas próprias. Se for necessário, vem um autocarro da Câmara de Vinhais para evacuar as pessoas”, comunica o oficial de Segurança. Os refúgios e o abrigo estão assinalados com placas sinaléticas.

Os populares obedecem à ordem e dividem-se pelos dois abrigos: um na casa do povo, o outro na associação cultural e recreativa da localidade. Entretanto, chegam forças da proteção civil e António Barreira entra numa ambulância dos bombeiros para trazer as pessoas acamadas.

De regresso ao refúgio, chega com um acamado em maca e uma pessoa em cadeira de rodas. “Fui buscar três pessoas a casa. Duas estavam acamadas. E duas já vinham a caminho, porque são as ordens que eu dei”, conta.

Com a ajuda da GNR e dos bombeiros, o Oficial de Segurança, assegura-se que não fica ninguém para trás. Feita a verificação da lista conclui-se que “a aldeia está completa. São 107 pessoas, não há ninguém em casa, não há ninguém em perigo”.

22 aldeias consideradas prioritárias

António conhece a terra a palmo, “não é ao metro ou ao quilómetro, é ao palmo”, sabe “identificar os caminhos, orientar os meios no terreno e assegurar a segurança das pessoas”.

O presidente da Câmara de Vinhais, Luís Fernandes, explica que a escolha dos oficiais de segurança obedece a critérios. “É aquela pessoa conhecedora da aldeia, que pode facilitar mais caminhos para a segurança das populações”, explica.

No concelho de Vinhais existem 105 aldeias, 22 foram consideradas prioritárias. “É nessas que avançará, em primeiro lugar, o programa”. Mas em praticamente todas as aldeias já há um oficial, “porque, devido, infelizmente, ao que aconteceu relativamente aos incêndios, há uma consciencialização muito grande por parte das pessoas e foi fácil arranjar uma pessoa em todas as localidades”, refere o autarca.

Segundo João Noel Afonso, comandante de Operações de Socorro de Bragança, o Oficial de Segurança “vai facilitar o trabalho [da proteção civil], na medida em que se passa a ter a certeza que as populações estão num lugar seguro, e deixa de ser uma prioridade o fazer o porta-a-porta para perceber quantas pessoas há nas habitações, e liberta toda esta ação no socorro”.

Criar hábitos de segurança

O simulacro realizado na aldeia da Gestosa visou criar hábitos e comportamentos de segurança na população. “Foi muito importante porque pode vir a acontecer um incêndio e, assim, a população já fica a saber como deve comportar-se”, refere António Barreira.

Bernardino Barreira, de 72 anos, considera que a iniciativa “foi importantíssima, sobretudo para os mais velhos que não podem ficar nas casas, porque podem correr perigo”.

“É muito importante estarmos informados, assim como é importantíssimo termos um lugar para nos refugiarmos”, diz à Renascença Maria Fernandes, de 75 anos.

Também o padre Francisco Ferreira, pároco da Gestosa, considera o simulacro “muito bom para sensibilizar as pessoas, em caso de incêndio”, mas considera “que falta uma coisa muito importante, que é mentalizar as pessoas para não pegarem fogo à floresta”.

Os programas Aldeia Segura e Pessoas Seguras baseiam-se na gestão de combustível, na criação de rotas e estratégias de evacuação, na preparação de abrigos, na ação dos oficiais de segurança e no impacto das campanhas de sensibilização e prevenção, tudo isto fruto do trabalho em rede entre bombeiros, proteção civil, câmaras municipais e juntas de freguesia.

A concretização dos programas vai depender, sobretudo, da iniciativa das autarquias, mas o objetivo do Governo é que, até ao verão, cheguem ao maior número possível de aldeias, lugares e aglomerados populacionais, entre os 6 mil identificados como de risco acrescido, num total de 1.091 freguesias e 189 municípios, de acordo com a classificação da Proteção Civil e do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Al
    18 mai, 2018 Mar 10:16
    É o que eu digo, Komunistas da treta! Eles dizem que o Estado é laico e depois precisam das igrejas! Afinal quem é o Estado, são essa escumalha que nos governa ou somos nós??!