O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Reitor acusado de desviar fundos conhece sentença

18 mai, 2018 - 08:10

Salvato Trigo está acusado de ter desviado pelo menos três milhões de euros da Universidade Fernando Pessoa em benefício próprio e da sua família.
A+ / A-

O reitor da Universidade Fernando Pessoa (UFP), no Porto, Salvato Trigo, que está acusado de ter desviado dinheiro da instituição em benefício próprio e da sua família, deverá conhecer a sentença esta sexta-feira, indicou fonte judicial à agência Lusa.

Salvato Trigo, único arguido no processo, está acusado de um crime de infidelidade por ter alegadamente desviado pelo menos três milhões de euros daquela instituição de ensino privado em benefício próprio e da sua família.

De acordo com a acusação, o reitor terá montado vários esquemas para fazer sair elevadas quantias da fundação que detém a universidade. O dinheiro seria, depois, canalizado para uma empresa cujos sócios são a mulher e os dois filhos.

O julgamento, que arrancou em outubro de 2017 no Tribunal Judicial da Comarca do Porto, decorreu à porta fechada a pedido do arguido.

No final dos anos 90, Salvato Trigo já tinha sido condenado a dez meses de prisão, suspensos na sua execução, num processo que envolvia o desvio de subsídios do Fundo Social Europeu, quando era diretor da Escola Superior de Jornalismo do Porto.

A 29 de janeiro deste ano, o reitor enviou uma mensagem por correio eletrónico aos professores, alunos e funcionários daquela universidade a informar que era “falso” ter desviado fundos ou cometido qualquer outro crime. Na mensagem, Salvato Trigo lamentou que o Ministério Público tenha acreditado em denúncias de um ex-técnico Oficial de Contas.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sofia
    18 mai, 2018 almada 15:23
    Tristeza de país.... Rouba de um lado, rouba de outro, a justiça não actua. Gostava de saber da próxima vez que eu não pagar uma multa de transito o que é que me acontece! Aparentemente a quem rouba milhões não acontece nada!