O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

EUA. Senado confirma Gina Haspel na CIA

17 mai, 2018 - 22:41

É a primeira mulher no cargo. Esteve envolvida em interrogatórios a elementos da Al-Qaeda.
A+ / A-

O Senado dos Estados Unidos aprovou esta quinta-feira Gina Haspel como diretora da Agência Central de Informações (CIA), depois de algumas reticências devido às suas ligações com um programa de torturas no governo de George W. Bush.

Gina Haspel, com uma longe carreira na CIA, tornou-se a primeira mulher a dirigir a agência.

A nova diretora trabalhou durante muitos anos como agente secreta e apenas nas últimas semanas a CIA divulgou algumas das suas missões e já tinha garantido que a CIA não retomará o programa de extensos interrogatórios e de tortura introduzido após o "11 de setembro", mesmo que o Presidente dos Estados Unidos o peça.

Haspel, implicada nos interrogatórios em que elementos da Al-Qaeda foram torturados em 2002, referiu perante uma comissão senatorial que o seu "código moral é sólido".

Gina Haspel lembrou que as práticas utilizadas na época eram já interditas pelo código militar, agora usado como referência para a legislação que revogou a autorização dada pela Administração Bush para realizar extensos interrogatórios.

De 61 anos, 33 dos quais passados na agência com sede em Langley, no Estado da Virgínia, Gina Haspel beneficia do total apoio de Donald Trump.

Gina Haspel dirigiu pelo menos em parte de 2002 uma operação de prisão secreta da CIA na Tailândia, na qual suspeitos de pertencerem à Al-Qaeda foram frequentemente torturados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.