A+ / A-

Portugal tem dois meses para atualizar regras de inspeção automóvel

17 mai, 2018 - 14:25

Assim ditou esta quinta-feira a Comissão Europeia, após Lisboa ter falhado em transpor o chamado pacote de Inspeção Técnica Automóvel até maio de 2017.
A+ / A-

A Comissão Europeia solicitou esta quinta-feira a Portugal que transponha integralmente uma série de leis comunitárias do chamado "pacote Inspeção Técnica Automóvel", ameaçando recorrer para o Tribunal Europeu de Justiça se tal não suceder no prazo de dois meses.

No quadro dos processos de infração hoje movidos contra alguns Estados-membros por incumprimento da legislação comunitária, a Comissão indica que o pacote legislativo sobre inspeções técnicas, adotado em 2014 para melhorar a segurança rodoviária na União Europeia, deveria ter sido transposto até 20 de maio de 2017.

Contudo, refere o Executivo comunitário, "até à data, Portugal, Eslovénia e Espanha não o fizeram, ou apenas o fizeram parcialmente", razão pela qual enviou hoje pareceres fundamentados aos três países.

Bruxelas especifica que Portugal e Eslovénia "não adotaram, não publicaram nem comunicaram à Comissão as medidas nacionais de transposição das regras atualizadas sobre inspeção técnica periódica dos veículos a motor e seus reboques".

A diretiva em causa abrange os veículos ligeiros de passageiros, camiões, autocarros, reboques de pesados, motociclos e tratores com velocidade superior a 40 km/hora e define os elementos a verificar durante a inspeção técnica, os métodos de verificação, as deficiências e a respetiva avaliação. Esta lei comunitária também introduz requisitos mínimos para as instalações de inspeção, a formação dos inspetores e os organismos de supervisão.

"Todos os Estados-membros em causa têm agora dois meses para responder. Caso contrário, a Comissão poderá decidir instaurar-lhes uma ação no Tribunal de Justiça da UE", adverte Bruxelas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.