A+ / A-
João César das Neves

Documento do Vaticano sobre produtos financeiros é "equilibrado" e "muito oportuno"

17 mai, 2018 - 11:08

A Santa Sé divulgou, esta quinta-feira, um documento da Congregação para a Doutrina da Fé em que é feita uma análise crítica do mercado de venda de produtos financeiros.
A+ / A-
O economista João César das Neves considera que o documento da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a venda de produtos financeiros, divulgado esta quinta-feira pelo Vaticano, é "extraordinariamente equilibrado" e "muito oportuno", tratando de uma das questões mais dramáticas do nosso tempo, que tem a ver com as finanças.

"O documento trata uma enorme quantidade de questões financeiras, algumas delas pela primeira vez. É preciso dizer que a doutrina é a doutrina de sempre. Aliás, o documento cita, sucessivamente, as várias encíclicas dos Papas João Paulo II, Bento XVI, Papa Francisco", começa por dizer César das Neves, em entrevista à Renascença.

O também professor de Economia da Universidade Católica Portuguesa sublinha que se os documentos papais não se prendem em detalhes técnicos, este aborda "uma enorme quantidade de assuntos de finanças, para os quais aplica os princípios gerais da doutrina, analisando os prós os contras".

O documento da Congregação para a Doutrina da Fé revela-se "extraordinariamente equilibrado", uma vez que "olha para as coisas com serenidade e aplica aquele princípio, que tem sido sucessivamente apresentado, mas que o Papa Bento XVI já tinha apresentado de uma maneira mais clara que os outros, que é 'o instrumento em si é neutro'. A forma como o usamos é que é eticamente julgável, e, se for mal orientada, dá péssimos resultados".

"Penso que é um documento muito oportuno, elaborado para tratar uma das questões mais dramáticas do nosso tempo, que tem exatamente a haver com esta explosão das finanças", completa.

João César das Neves detalha que "o documento avisa as pessoas e, sobretudo, pede regulamentação: pública, mas também através de comissões de ética nos bancos, por exemplo".

O economista lembra que o fundamental perante os problemas decorrentes da realidade financeira prende-se com "a atitude ética perante a realidade", algo que depende "das pessoas concretas que estão nas Finanças". Assim, "não há lei, não há imposição que substitua a atitude correta de caridade que as pessoas envolvidas, os operacionais das bancas - das finanças em geral -, mas também dos consumidores, que têm de ter uma atitude responsável perante o seu consumo e a sua poupança".

"O problema da diversidade de informação, da transparência, da necessidade da transparência e do facto de nos podermos aproveitar da ignorância de outras pessoas é um tema muito tratado neste documento, que, sucessivamente, diz que esta desigualdade em que o operador sabe mais do que o cliente - e, muitas vezes, pode aproveitar-se dessa ignorância - é um dos piores abusos desta área. O documento trata-o com muita atenção", remata João César das Neves.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.