A+ / A-

​Vítimas dos incêndios não pedem desculpa ao ministro da Agricultura

16 mai, 2018 - 16:23

“Não foram apoiados 20 e tal mil agricultores. Isso é mentira”, reafirma Luís Lagos.
A+ / A-

A Associação das Vítimas dos Incêndios de Outubro não vai pedir desculpa ao ministro da Agricultura, Capoulas Santos.

No Parlamento, Capoulas Santos fez, esta quarta-feira, questão de desmentir os elementos daquela associação, que há duas semanas acusaram o ministro de mentir quando afirmou que o Governo apoiou 20 mil agricultores.

Contactado pela Renascença, Luís Lagos, da Associação de Vítimas dos Incêndios de Outubro, garante que não vai pedir desculpas.

“Obviamente que não vamos pedir desculpa nenhuma. Se alguém tem que pedir desculpa por tudo o que aconteceu é o Governo, porque falhou a Proteção Civil, e continuo a dizer o que disse na comissão parlamentar: não foram apoiados 20 e tal mil agricultores. Isso é mentira. Foram apoiadas 20 e tal mil pessoas. Foi dar pouco a muita gente, foi sobretudo uma medida de serenidade social”, acusa Luís Lagos.

De acordo com o dirigente associativo, “os projetos agrícolas de referência, estruturantes, que têm um efeito extraordinário de ocupação do território para evitar o que aconteceu em outubro, esses não estão a ser apoiados condignamente, têm taxas de comparticipação em muitos casos inferiores a 50%”.

O ministro da Agricultura admitiu esta quarta-feira reabrir candidaturas de apoio aos agricultores afetados pelos incêndios do ano passado. A concretizar-se, a iniciativa, envolverá apenas casos excecionais.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.