O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ao fim de dez anos, Judiciária tem novo diretor

15 mai, 2018 - 13:09

Luís Neves, até agora diretor da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo, substitui Almeida Rodrigues, o dirigente máximo da PJ que mais tempo permaneceu em funções.
A+ / A-

Depois de 10 anos como diretor nacional da Polícia Judiciária, Almeida Rodrigues vai abandonar o cargo. O anúncio foi feito pelo Governo esta terça-feira.

No comunicado enviado às redações, o Executivo informa que Almeida Rodrigues "solicitou a não renovação da sua comissão de serviço". Na nota para a imprensa, o Ministério da Justiça indica já quem será o seu sucessor: Luís Neves, até agora diretor da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo.

Na nota enviada às redações, o Ministério da Justiça lembra que Almeida Rodrigues assumiu o cargo a 9 de maio de 2008 e que anteriormente tinha exercido funções como diretor nacional adjunto, "contando assim com 12 anos de experiência enquanto dirigente de topo deste órgão de polícia criminal, sendo o dirigente máximo da Polícia Judiciária que mais tempo permaneceu em funções".

"Ao longo do período acima citado, demonstrou elevadas qualidades e capacidades profissionais e pessoais na liderança daquela Polícia, sendo de destacar a sua absoluta lealdade e disponibilidade para o cumprimento da missão e o seu indissolúvel compromisso com a prossecução do interesse público", lê-se ainda na nota.

O Ministério da Justiça sublinha também "a sua subida competência técnica, aptidão e experiência profissionais", que foram "preponderantes na consolidação e acerto da opção de escolha de profissionais da própria Policia Judiciária para a chefiarem, modelo que o atual Governo pretende manter".

Almeida Rodirgues cessa a sua comissão de serviço como diretor nacional da Judiciária a 15 de junho de 2018.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.