O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Desemprego com valor mais baixo desde 2004

09 mai, 2018 - 11:12

Há menos cerca de 113 mil desempregados, face ao ano passado, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística
A+ / A-

O desemprego voltou a descer no primeiro trimestre de 2018, segundo dados revelados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, atingindo valores que não se registavam desde 2004.

A taxa de desemprego fixou-se nos 7,9%, o que representa uma descida de 0,2 pontos percentuais em relação ao último trimestre de 2017 e de 2,2 pontos percentuais em relação ao período homólogo do ano passado.

Em números reais estes dados significam que há menos quase 12 mil desempregados em relação ao final de 2017 e menos quase 114 mil em relação ao início desse mesmo ano.

A última vez que o desemprego esteve abaixo dos 8%, segundo dados do Eurostat, foi em junho de 2004, tendo atingido um pico de 17,5% em 2013.

Segundo o comunicado do INE, "a população empregada, estimada em 4 806,7 mil pessoas, registou uma variação trimestral relativa quase nula (associada a um ligeiro acréscimo de 1,8 mil pessoas) e um aumento homólogo de 3,2% (mais 148,6 mil)".

Estes dados do INE consideram a população a partir dos 15 anos e os valores não são ajustados de sazonalidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    09 mai, 2018 Viseu 11:20
    A taxa de desemprego do primeiro trimestre deste ano caiu para 7,9% da população ativa, o valor o mais baixo em quase uma década, indicou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Mas a verdade é que muitos dos empregos são precários e com salários baixos…e a dívida pública que subiu para 246 mil milhões em fevereiro de 2018?