A+ / A-

Novo decreto-lei alarga serviços mínimos bancários

08 mai, 2018 - 15:17

Bancos continuam, assim, a estar obrigados a disponibilizar estas contas, pelas quais não podem cobrar mais de 1% do ordenado mínimo nacional, através de taxas, despesas ou outros encargos.
A+ / A-

Os bancos continuam a ser obrigados a fornecerem serviços mínimos bancários. A quinta alteração à lei foi publicada esta terça-feira em Diário da República e a Associação Portuguesa de Bancos esclareceu à Renascença que os serviços mínimos continuam a ser obrigatórios, como acontecia desde 2015, e que alguns serviços serão alargados.

Os bancos continuam, assim, a estar obrigados a disponibilizar estas contas, pelas quais não podem cobrar mais de 1% do ordenado mínimo nacional, através de taxas, despesas ou outros encargos.

Estas contas existem por necessidade de garantir a inclusão social, segundo o texto publicado em Diário da República, que justifica assim a intervenção do Estado para assegurar o acesso a serviços financeiros básicos.

A nova legislação obriga os bancos a substituírem os cartões de débito destas contas por outros, no prazo de 30 dias. Os novos cartões devem permitir transações em qualquer Estado-membro da UE e fazer pagamentos de baixo valor sem necessidade de PIN, como acontece, por exemplo, com as portagens.

Os clientes duplicam ainda para 24 as transferências interbancárias pelo "homebanking".
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.