|
A+ / A-

Quem é o atacante de Toronto? Um inadaptado social hábil com computadores

24 abr, 2018 - 08:03

Os colegas dizem que raramente falava. A mãe diz que o filho tem síndrome de Asperger. Atropelou dezenas de pessoas no Canadá.

A+ / A-

Chama-se Alek Minassian, tem 25 anos, é estudante e está detido pela polícia canadiana por ser o principal suspeito do atropelamento de segunda-feira, em Toronto, que fez pelo menos dez mortos.

Ao volante de uma carrinha branca alugada, percorreu uma das principais artérias comerciais daquela cidade durante 2,2 quilómetros, a cerca de 170 km/h, atropelando inúmeras pessoas no passeio, incluindo idosos e mães com carrinhos de bebé.

Os colegas de escola descrevem Alek à imprensa canadiana como um inadaptado social que raramente falava, com dificuldade em controlar os tiques, mas muito hábil a lidar com computadores.

Em 2009, numa entrevista a um jornal local, a mãe relatava que o filho sofria de síndrome de Asperger e participava num programa especial que o ajudava a ultrapassar barreiras cognitivas.

Apesar do comportamento de Alek Minassian apresentar semelhanças com outros chamados "lobos solitários" ligados ao terrorismo islâmico, a polícia descarta, para já, essa ligação. Mas admite que o atropelamento foi deliberado. Alek não tem qualquer registo de criminalidade junto das autoridades.

Minutos de horror

As testemunhas descrevem 25 minutos de horror. "Era um dia normal, estava a caminhar e vi um homem a ser atingido por uma carrinha. Vi três ou quatro corpos no chão. Outras pessoas estavam a ser reanimadas", descreve Steve Cortese à agência Reuters.

Outra testemunha, Ali, passava de carro pelo local quando viu a carrinha subir o passeio e "atropelar toda a gente". "Qualquer pessoa que estivesse no seu caminho, ele atropelava. A paragem do autocarro ficou toda partida e estava uma senhora lá, que eu vi. Eu parei e olhei e vi todos a caírem, um por um", relata.

No final, a carrinha parou numa rua lateral e o condutor enfrentou um polícia. Tirou do bolso um telemóvel, fingindo que era uma arma, e avançou para o agente. Gritou então repetidamente: "mate-me, mate-me. Tenho uma arma no bolso, atire à minha cabeça".

"Subiu o passeio e começou a atropelar toda a gente". Testemunhas relatam atropelamento em Toronto
"Subiu o passeio e começou a atropelar toda a gente". Testemunhas relatam atropelamento em Toronto

Toronto é conhecida por ser uma cidade segura e onde metade da população é imigrante, sendo predominantemente asiática. Embora Minassian seja um apelido de origem tradicionalmente arménia, ainda se desconhece a origem do jovem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    24 abr, 2018 19:23
    Um inadaptado social? Conheço muitos "inadaptados sociais" que não andam por aí a matar pessoas. Não tentem desculpar um crime hediondo.
  • Ora bem!
    24 abr, 2018 dequalquerparte 13:53
    Parece que já se sabe mais alguma coisa, ele anda encalhado com as mulheres. Elas rejeitam-no. Também para chegar a um ponto destes, imagina-se a estupidez que não vai naquela cabeça. Este é daqueles que anda mal com alguns, mas quem paga são os que não têm nada a ver com as frustrações dele. Então dá-se mal com as mulheres e é um encalhado, então a forma de resolver é pegando num carro e matar tudo o que aparece à frente. Bem diz Albert Enstein: Há duas coisas infinitas, o mundo e a estupidez humana, mas quanto à primeira tenho as minhas dúvidas.
  • António Costa
    24 abr, 2018 Cacém 11:33
    Enfim, respeito pelos outros. O respeito pelos outros deve e tem de ser ensinado. Em todas as Culturas. Nos asperger e nos não asperger. Asperger é a capacidade de "super-concentração" num único assunto. A sua vida está "concentrada" num "único ponto". As pessoas "normais" tem capacidade de concentração, mas são capazes de se dispersar e de gostar de várias coisas. As pessoas com DDA, com défice de atenção, são o oposto dos asperger, são incapazes de se concentrar num único assunto. Existem suspeitas de que Einstein tinha asperger, era superconcentrado na Física e era uma excelente pessoa, um pacifista. Volta-se sempre ao mesmo, sempre: respeitar a diferença não é anular-mos as diferenças, nem fingir que elas "não existem". É aceitar o Outro, sem deixarmos de ser nós próprios!
  • Pais Nacionalista
    24 abr, 2018 Lisboa 09:52
    "inadaptado social" ou doente mental, é sempre a mesma coisa... Até quando?