A+ / A-

Itália concede cidadania a Alfie depois de pais terem perdido luta judicial

23 abr, 2018 - 18:46

Centenas de manifestantes tentaram forçar a entrada no hospital de Liverpool onde Alfie Evans está internado, em protesto contra a decisão do hospital de lhe desligar o suporte de vida.
A+ / A-

Veja também


O Governo italiano concedeu esta segunda-feira cidadania ao bebé Alfie Evans, um menino de 23 meses que está internado num hospital em Liverpool, Inglaterra.

Com esta medida extraordinária – uma vez que ambos os pais de Alfie são ingleses e o rapaz nasceu em Inglaterra – o Governo espera convencer o Estado britânico a permitir que o rapaz seja transferido para um hospital em Roma que já aceitou acolhê-lo.

Alfie sofre de uma doença degenerativa, não diagnosticada, que o deixou num estado semivegetativo. Os médicos que o tratam consideram que se devia desligar o suporte de vida, mas os pais discordam. No Reino Unido, nestas situações o caso acaba por ser decidido nos tribunais, que têm dado razão sempre ao hospital.

Não é claro, por enquanto, se o argumento dos médicos se baseia no facto de o suporte de vida causar sofrimento a Alfie, ou se consideram que dado o seu estado e o facto de não haver possibilidade de cura, não vale a pena manter ligadas as máquinas que o ajudam a respirar.

O pai de Alfie tem sido o rosto da campanha para evitar que a máquina seja desligada, e a semana passada foi mesmo recebido pelo Papa. O Vaticano tem dado indicações públicas de apoio à sua causa e o hospital Bambino Gesù, em Roma, já disse que pode receber o bebé e tratá-lo até que morra de forma natural.

Mas agora é o próprio Estado italiano que está a interceder pela vida de Alfie. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Angelino Alfano, encontrou-se com o seu congénere britânico Boris Johnson, esta segunda-feira no Luxemburgo. Alfano elogiou o sistema de saúde britânico, mas deixou o repto da possibilidade de uma transferência, dizendo que “este hospital altamente avançado está bem equipado para lidar com este caso”. O ministro acredita que “uma decisão tomada por razões puramente humanitárias não poderá ser prejudicial”.

Também o Papa voltou a intervir, escrevendo num tweet "Emocionado pelas orações e imensa solidariedade demonstrada pelo pequeno Alfie Evans, renovo o meu apelo para que seja escutado o sofrimento dos seus pais e que seja concedido o seu desejo de procurar novas formas de tratamento".



Não é conhecida ainda qualquer resposta do Reino Unido.

Ainda esta segunda-feira, e depois de conhecida a resposta do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, que rejeitou um segundo pedido da família Evans para analisar o caso, centenas de pessoas acorreram ao hospital para protestar.

A multidão chegou a tentar forçar a entrada no hospital, mas a polícia presente no local impediu-o. Os manifestantes concentraram-se então do outro lado da rua a entoar “salvem o Alfie Evans”.

Médicos querem desligar máquinas. Papa apoia famílias dos doentes
Médicos querem desligar máquinas. Papa apoia famílias dos doentes
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    25 abr, 2018 00:28
    João Lopes = troll pago.
  • João Lopes
    24 abr, 2018 Viseu 10:48
    A defesa da vida, em todas as circunstâncias, é a defesa da humanidade. Os promotores da cultura da morte − aborto e eutanásia − atentam contra a dignidade da pessoa humana: são os "bárbaros" e os "monstros" destes tempos… A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os médicos e os enfermeiros existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros...