A+ / A-

Um livro sobre incêndios para incentivar os jovens a largarem o telemóvel

17 abr, 2018 - 16:48 • Maria João Costa

Escrito no rescaldo dos grandes fogos de 2017, "Sem Rede", da autoria de Margarida Fonseca Santos, transporta os leitores mais novos para um acampamento carregado de desafios.
A+ / A-

"Sem rede" é o novo título da coleção "A Escolha é Minha", da autoria de Margarida Fonseca Santos, escritora que conta com diversos livros no Plano Nacional de Leitura.

Inspirada pelos grandes incêndios que varreram o centro e o norte de Portugal em 2017, a autora lançou mãos à obra para publicar um livro cheio de desafios aos mais novos. O primeiro é um dos mais difíceis para as crianças e os jovens de hoje: pôr o telemóvel de lado.

A abrir a história de "Sem Rede" está um grupo de estudantes que parte de autocarro para um acampamento. Na viagem, os alunos são obrigados a sentar-se ao lado de colegas que conhecem menos bem. É o primeiro 'sair da zona de conforto', seguido do anúncio de que vão ficar "sem rede", ou seja, desligados do mundo virtual.

Com o seu mais recente livro, Margarida Fonseca Santos pretende confrontar os mais jovens com o drama dos incêndios, razão pela qual põe Bárbara, Ricardo e os restantes protagonistas a tentarem lidar com um fogo pondo em prática os ensinamentos que aprenderam - uma história, acima de tudo, sobre "a importância da entreajuda e da esperança".

Com a pretensão de transmitir valores e ensinamentos como esses aos mais novos, a autora assume que um dos grandes desafios foi fazê-lo sem que as mensagens soassem moralistas. A ideia com "Sem Rede", explica, é precisamente deixar portas abertas para que cada um tire as suas próprias conclusões.

“Sem Rede”, o novo livro de Margarida Fonseca Santos, foi lançado há um mês e tem chancela “Fábula”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.