A+ / A-

Deputada Rubina Berardo não pediu reembolso. “Optei por não o fazer"

17 abr, 2018 - 10:57

A social-democrata considera que não é ético acumular dois subsídios de mobilidade, mas admite que a lei não é clara. Sete deputados da Madeira e dos Açores terão duplicado os subsídios a que têm direito.
A+ / A-

Veja também


Rubina Berardo é deputada do PSD eleita pela Madeira e decidiu não pedir o reembolso das viagens que realizou à ilha por considerar que tal seria receber um apoio em duplicado.

“Optei por não o fazer. Considerei que essas deslocações já estariam cobertas através desse subsídio” de mobilidade atribuído pela Assembleia da República, afirmou à Renascença.

Rubina Berardo diz não saber se legalmente teria, ou não, direito à verba em causa, mas considera que, pelo menos eticamente, seria incorreto duplicar os apoios. “É o meu entendimento pessoal”, admite, recusando comentar a atitude de outros deputados que decidiram acumular os subsídios de mobilidade a que têm direito: um concedido pelo Parlamento, outro atribuído residentes, residentes equiparados e estudantes das regiões autónomas, pelas viagens realizadas entre o continente e as ilhas (Subsídio Social de Mobilidade).

Confrontada com a decisão anunciada por Sara Madruga da Costa (também do PSD), que vai devolver o dinheiro em causa, e de José Paulino Ascensão (do Bloco de Esquerda), que pediu a demissão, Rubina Berardo admite que talvez tenham chegado à conclusão de que não terão tido o melhor comportamento.

“Acho que, numa altura em que a própria imagem dos políticos não é tão automaticamente positiva na sociedade, este género de episódios também causa alguma celeuma na sociedade”, analisa, considerando que “qualquer um de nós pode errar”.

“O PSD também já pediu à comissão de ética e à Assembleia da República que se pronunciem sobre esta situação e acho que isso é importante para clarificar a situação em termos legais. Para mim está claro, mas acho que em termos jurídicos também era bom haver essa clarificação”, reforça nas declarações à Renascença.

Esta terça-feira, o presidente da Associação Cívica Integridade e Transparência também comentou o caso da duplicação de subsídios por deputados considerando “obviamente vergonhoso” e “um caso de chico espertismo do mais baixo nível” que só degrada a imagem do Parlamento e dos deputados em geral.

“Porque, de facto, há uma quebra de confiança enorme destes deputados em relação à população, não só que representam nas ilhas mas à população em geral”, defendeu João Paulo Batalha na Manhã da Renascença.

A polémica foi lançada no sábado, com uma notícia do “Expresso”. O caso envolve sete deputados eleitos pelos círculos eleitorais da Madeira e dos Açores, entre os quais Carlos César, Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira (PS) e Paulo Neves (PSD), além de Sara Madruga da Costa (PSD) e Paulino Ascensão (BE).

Segundo o jornal, “os deputados dos Açores e da Madeira recebem [para as suas deslocações semanais] uma compensação do Parlamento no valor fixo de 500 euros, mesmo que não viajem e sem necessidade de apresentar comprovativo de voo”.

Além disso, os eleitos pelas ilhas podem ter parte das suas viagens reembolsadas ao abrigo do Subsídio Social de Mobilidade, desde que apresentem o comprovativo/bilhete nos CTT – uma regra que se aplica a qualquer cidadão que resida nos arquipélagos. No caso dos Açores, o Estado reembolsa despesas acima de 134 euros e, no caso da Madeira, acima dos 86 euros, até ao limite de 400 euros.

Os deputados de círculos eleitorais fora de Lisboa têm igualmente um valor para as deslocações semanais, mas não é fixo, sendo pago ao quilómetro.

Contactados pelo “Expresso”, os sete deputados referidos não negam a acumulação de verbas recebidas, dizem ter cumprido a lei e alegam que os preços das viagens dependem da época do ano, sendo que nem sempre arranjam lugares nos voos em classe económica (como pressupõem os serviços da Assembleia da República).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    17 abr, 2018 Porto 18:59
    Em Portugal existem leis claras em que possamos confiar ? Gostava que alguém da arte me explicasse, dado que não sou da arte. O Direito, não é uma ciência exacta, mas que diabo....
  • geraldo
    17 abr, 2018 lisboa 13:46
    Esta noticia alegadamente cheira a cabala altamente conspirativa e cujo agendamento surge como uma forma de denegrir figuras parlamentares?ou só para alertar possíveis irregularidades ou furos na lei.Under-ground ou front-office em conflito?Caberá AR resolver.Isto é um não assunto transformado em bomba atómica.
  • Jorge
    17 abr, 2018 Seixal 12:35
    Mas foi só a deputada Rubina Berardo a não pedir o reembolso das viagens que fez, ou é noticia por ser do PSD, o partido onde há mais corruptos e vigaristas. Podiam complementar a noticia e dizer que esta menina é sobrinha do Joe Berardo, o tal, que pediu à CGD mil milhões de euros para comprar ações do BCP e nunca mais os pagou.
  • Augusto
    17 abr, 2018 Lisboa 12:26
    A deputada Rubina Berardo perante o que é publicado , vive há vários anos no Continente, onde foi inclusive funcionária da Embaixada Alemã. Sendo assim, a que título poderia ela pedir reembolso de viagens, se não vive na Madeira? Todo este assunto está muito mal esclarecido .