O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Habitação. Estado quer ajudar famílias monoparentais e idosos em "condições indignas"

17 abr, 2018 - 09:14

Levantamento das necessidades concluiu que há quase 26 mil famílias com carências habitacionais no país.
A+ / A-

O Governo quer avançar com uma nova Geração de Políticas de Habitação, que prevê a contratação de oito mil fogos e inclui financiamento para obras ou construção. O programa com medidas específicas para famílias monoparentais carenciadas ou idosos vai em breve a Conselho de Ministros.

Avança o jornal “Público” que quem viva em condições indignas, seja português ou imigrante, mas não tenha capacidade financeira para encontrar casa no mercado vai poder candidatar-se ao apoio à habitação através de um empréstimo bonificado para compra, construção de uma casa ou da reabilitação do imóvel onde vive.

Há quase 26 mil famílias com carências habitacionais e é necessário um orçamento de 1.700 milhões de euros para as solucionar, segundo o Levantamento Nacional das Necessidades de Realojamento Habitacional.

Quem preenche as condições indignas? Situações de famílias monoparentais ou pessoas com mais de 65 anos ou com deficiência; quem não tenha conseguido renovar o contrato de arrendamento; pessoas sem-abrigo ou quem não tenha alternativa depois de ser despejado.

Este programa é uma resposta que dá “apoio directo às pessoas” e privilegia a reabilitação e o arrendamento para “contribuir para o equilíbrio entre regimes de ocupação e a promoção e regulação do mercado de arrendamento”, pode ler-se no jornal de cita o projeto. O objectivo é “promover a inclusão social e territorial”, tendo “uma forte cooperação entre políticas” e organismos, o Estado central e local e os sectores público e privado.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.