O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Arrendamento

Ter de partilhar casa aos 40 anos? As novas “repúblicas” de Lisboa

16 abr, 2018 - 07:57

“Se o rendimento médio nacional é da ordem dos 800 euros e se as rendas andam por mil, naturalmente não é suportável” uma só pessoa arrendar uma casa.
A+ / A-

Veja também:


Com as casas a atingirem preços incomportáveis no centro de Lisboa, dividir a renda surge como a única solução para se viver na capital. E não falamos de jovens estudantes, mas de adultos trabalhadores com mais de 30 anos.

É o caso de José Carvão, professor de geografia de 41 anos. "Divido casa com três pessoas, mas não são professores. Uma casa sozinho é muito mais cara e nós, professores, não temos ajudas de custo nenhumas”, aponta à Renascença.

“Neste momento, já efetivei, mas ganho exatamente o mesmo. Ao partilhar casa, as despesas são divididas e para alguma eventualidade está lá alguém que nos possa auxiliar. Há partilhas que correm melhor do que outras, nem todos somos iguais", ressalva.

As desvantagens são apontadas por Duarte Borges, 31 anos, assessor de imprensa que há cinco anos partilha casa com um amigo.

“Temos de dividir tudo: as rotinas, os feitios, horários… e acaba por ser uma desvantagem. O espaço não é só nosso e partilhar o espaço com outra pessoa implica também que essa pessoa entre também no nosso mundo e na nossa intimidade e no nosso tempo de descanso, que é depois do trabalho ou nos fins-de-semana", refere.

No caso do gestor de redes sociais de 29 anos que preferiu ficar anónimo, a divisão do espaço com uma amiga está correr bem, até porque “os horários não interferem muito”.

“É complicado alugar sozinho um apartamento em Lisboa, os preços estão elevadíssimos. A nossa dinâmica é boa, mas eu achava que com esta idade já teria a minha casa... se calhar daqui a uns tempos gostaria viver sozinho", admite.

O que faz subir os preços das casas em Lisboa?

A Associação Lisbonense de Proprietários confirma que cada vez mais aparecem grupos de inquilinos a querer alugar casa em conjunto. O presidente, Menezes Leitão, considera que tudo se deve à escassez de imóveis.

"Há uns anos havia muitos proprietários que nos procuravam para ajudar a colocar as casas no mercado de arrendamento. Neste momento, já não nos procuram para esse efeito. Notamos que há um grande receio dos proprietários em arrendar. Isso leva a que, devido à escassez de oferta, as rendas aumentem de preço e é o que está a acontecer”, afirma à Renascença.

Do lado dos inquilinos, a perceção é outra. O presidente da Associação de Inquilinos Lisbonenses, António Machado, aponta a especulação imobiliária como causa para as rendas que obrigam muita gente a partilhar casa.

“Aumentando a especulação e os preços, cada vez as pessoas têm mais dificuldade em suportar sozinhas os custos de habitação e, portanto, a partilha de habitação é uma solução possível – como noutras épocas, em que chamavam hospedagem, agora chama-se partilha de casa, mas é uma situação idêntica”, diz.

“Estou a falar de gente empregada e que tem algum rendimento. Se o rendimento médio nacional é da ordem dos 800 euros, se as rendas andam por mil, naturalmente não é suportável só por um. E até por dois é difícil”, sublinha.

Soluções é que não se veem. Com o aumento do turismo e a retoma económica, os preços das casas subiram de uma forma brusca e os salários não estão a acompanharam esta evolução.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Guiomar Anaissi
    20 mai, 2018 Rio de Janeiro 12:05
    Pois, é!Muito feliz em ver esta publicação porque lancei está ideia em grupos do facebook, tipo República das ;jovens aposentadas e ou República das jovens na melhoridade_ Sou aposentada, irei só e a meta prioritária é viver esta fase com qualidade de vida, segurança, conforto e muitas viagens....Para tanto; ñ posso sozinha , arrendar um apartamento e manter uma reserva monetária que me permita, viajar, passear, Ñ sou de luxo, mas conforto , higiene e respeito ao próximo são fundamentais.,,., Mas parece que nem todas aposentadas que tb irão só, pensam assim.... Grata e abraços
  • Anónimo
    16 mai, 2018 00:38
    João Pestana = troll pago
  • Anónimo
    17 abr, 2018 00:25
    A especulação imobiliária é um cancro.
  • João Pestana
    16 abr, 2018 Agueda 21:38
    É o que dá todos quererem morar na capital. Eu também sou licenciado, também tive ofertas de trabalho na capital mas pensei duas vezes e resolvi ficar na terrinha a pastorear cabras, produzir queijos e plantar batatas. espaço e abrigo não me faltam.
  • nela
    16 abr, 2018 lisboa 16:50
    Há na net informação de figuras q ganham acima dos 3300,00 euros e partilham casa.Uns por necessidade outros por poupança,miserabilismo ou desinvestimento.Familias constituídas em principio esta opção não se poe ,ou poem-se?Com a grande mobilidade do emprego a CASA deixou de ser CASA.A demografia cai a piqe ETC.Quem em seu perfeito juízo quer adquirir casa se no dia seguinte está desempregado e a dormir na rua.O aluguer partilhado é a fuga prá frente quando outra solução é impossível.A solução é regredir/progredir e imitar as comunas da antiga URSS.
  • VICTOR MARQUES
    16 abr, 2018 Matosinhos 11:27
    Tempos modernos! Que grande "barracada"!!!...
  • Ora pois!
    16 abr, 2018 dooutrolado 10:37
    Ninguém tem nada a dizer? Não tem criticas a fazer? Ok, pelos vistos quem anda a ler estas noticias deve ter casa própria, tá bem estável na vida, se calhar ganha para cima de 3 mil euros. Viva este país, o nível de vida e os salários de miséria!