A+ / A-

Região do Barroso é património agrícola mundial

12 abr, 2018 - 16:54 • Olímpia Mairos

A cerimónia da entrega do certificado acontecerá no dia 19 de abril, em Roma.
A+ / A-

O Grupo Consultivo Científico do Programa de Sistemas Agrícolas Tradicionais de Relevância Global (Globally Important Agricultural Heritage Systems – GIAHS) declarou a região do Barroso como património agrícola mundial da FAO.

Esta foi a primeira candidatura do género em toda a Europa. A cerimónia da entrega do certificado acontecerá no dia 19 de abril, em Roma.

Para o presidente da Câmara de Montalegre, Orlando Alves, o galardão significa o “reconhecimento e a promoção das práticas de excelência que o povo do Barroso mantém na relação com o ambiente no domínio da atividade agrícola e pecuária”.

Para além da distinção e visibilidade, o autarca acredita que a distinção vai “trazer promoção turística, valorização do território, tão relevante para a nossa sobrevivência e sustentabilidade”

“É mais uma peça ornamental na catalogação de um território que tem tudo de bom”, realça o presidente da Câmara de Montalegre, lembrando que “o território, que já é dominado pela monumentalidade, qualidade arquitetónica, preservação da natureza e espécies, e que é reserva da biosfera”, ganha agora uma outra visibilidade.

“Esta classificação poderá ser uma âncora para o desenvolvimento da região, sobretudo para o turismo de natureza que tem que ser a vertente maior da nossa afirmação turística”, enfatiza.

A classificação da região como património agrícola mundial traz também uma maior responsabilidade aos municípios de Boticas e Montalegre: “se, até aqui, soubemos cuidar do território com a perfeição que nos é reconhecida e que é alvo desta distinção, a partir daqui temos que ter um cuidado mais intenso, porque não vamos querer perder este prémio”, afirma o autarca de Montalegre.

O GIAHS é uma iniciativa da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) para a promoção da consciencialização e do reconhecimento nacional e internacional dos sistemas de património agrícola, alertando para “a importância de proteger os bens e serviços sociais, culturais, económicos e ambientais que estes fornecem aos agricultores familiares, aos povos indígenas e às comunidades locais, promovendo uma abordagem integrada que combina agricultura sustentável e desenvolvimento rural”.

Na candidatura do Barroso estiveram envolvidas a Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega (ADRAT), a Direção Regional de Agricultura (DRA), a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Universidade do Minho (UM).

O que é que o Barroso tem?

Barroso é uma região agrícola dominada pela produção pecuária e pelas culturas típicas das regiões montanhosas.

Do ponto de vista cultural, os habitantes do Barroso desenvolveram e mantiveram formas de organização social, práticas e rituais que os diferenciam da maioria das populações do país em termos de hábitos, linguagem e valores. Isso resulta das condições endógenas e do isolamento geográfico, bem como dos limitados recursos naturais que os levaram a desenvolver métodos de exploração e uso consistentes com sua sustentabilidade”.

O comunitarismo é um dos valores e costumes mais característico de Barroso, intimamente associado às práticas rurais de vida coletiva e à necessidade de adaptação ao meio ambiente.

A paisagem montanhosa está historicamente relacionada com os sistemas agrícolas tradicionais, em grande parte baseados na criação de gado e na produção de cereais. Isto deu origem a um mosaico de paisagem em que as pastagens antigas, as áreas de cultivo (campos de centeio e hortas), os bosques e as florestas estão interdependentes, e onde os animais constituem um elemento chave no fluxo de materiais entre os componentes do sistema.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.