O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Alemanha liberta Puidgemont

06 abr, 2018 - 14:31

Carles Puidgemont já saiu da prisão alemã. O ex-líder do Governo catalão está já em liberdade. Nesta edição, destaque ainda para a tensão diplomática que opõe Moscovo ao Ocidente e à guerra comercial decretada pelos Estados Unidos.
A+ / A-
Visto de Bruxelas (09/04/2018)
Visto de Bruxelas (09/04/2018)

Puidgemont agradeceu a todos os que acreditaram e pede à Justiça espanhola que liberte todos os seus colegas de partido detidos em Espanha pelo mesmo crime: “Peço a imediata libertação de todos os meus colegas que estão detidos nas prisões espanholas. É uma verdadeira vergonha para a Europa ter presos políticos. Sempre confiei na democracia europeia, baseada nos direitos dos povos, separação de poderes e no direitos humanos. Tal está em risco em Espanha, a nossa luta é pela democracia”.

Carles Puigdemont deixou a prisão de Neumünster esta manhã, depois de pagar uma caução de 75 mil euros. O antigo líder catalão vai aguardar em liberdade a decisão sobre o pedido de extradição. Fica obrigado a apresentar-se semanalmente e não pode abandonar o país.

A Justiça alemã considera que o antigo presidente do Governo catalão não cometeu qualquer crime de rebelião, nos seus actos independentistas. Conclui que não houve crime porque não existiu violência armada. E em resposta à decisão da Justiça alemã, o Governo espanhol garante que respeitará qualquer decisão judicial, embora lembre que não foi essa a interpretação já feita pela Justiça espanhola. Fê-lo através do seu ministro da Educação.

É certo que a Justiça espanhola é soberana, caso venha a capturar o líder independentista, mas os seus critérios seguidos estão a ser claramente questionados pelos parceiros europeus. Importa sublinhar que, mesmo em Espanha, o crime de rebelião implica a existência de violência armada, embora seja essa a acusação feita pelos magistrados da Audiência Nacional espanhola.

Tensão diplomática e comercial

Tema a gerar forte tensão entre a Moscovo, os países europeus e os EUA continua a ser o do envenenamento do antigo embaixador russo no Reino Unido, e da sua filha. Este caso já motivou a expulsão de muitos embaixadores. E Moscovo assume, agora, com "alto grau de probabilidade", que os serviços de inteligência de outros países estejam por trás dos envenenamentos.

Num outro plano, e numa derradeira tentativa de evitarem uma guerra comercial, tanto Emmanuel Macron como Angela Merkel têm viagem marcada para Washington. O Presidente francês, a 24 de Abril e a Chanceler alemã, a 27. Apostam ambos em garantir, junto de Donald Trump, uma isenção permanente às importações de aço e alumínio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.