A+ / A-

Clima de suspeição. Sindicato dos Jogadores defende ação em três frentes para definir esta época

03 abr, 2018 - 22:42

O presidente do Sindicato, Joaquim Evangelista, encontrou-se com o secretário de Estado do Desporto e abordou as medidas a detalhar e adotar, para combater as cada vez mais frequentes suspeitas relativamente ao profissionalismo dos jogadores.
A+ / A-

O presidente do Sindicado dos Jogadores, Joaquim Evangelista, elaborou um pouco, esta terça-feira, sobre os três pilares em que irão assentar as propostas dos jogadores de futebol, para colocar um ponto final no clima de suspeição que tem sido levantado sobre o seu profissionalismo.

Na secretaria de Estado da Juventude e Desporto, após o encontro com João Paulo Rebelo, Evangelista revelou que as primeiras medidas serão de sensibilização e para detalhar ainda com a época a decorrer.

"Estamos a pensar, entre o último jogo [do campeonato] e o jogo [da final] da Taça [de Portugal], reunir todos os capitães de equipa, para discutir algumas medidas que foram aqui apresentadas. Passam por medidas educativas. Ou seja, como é que os jogadores também podem ajudar e contribuir para criar um clima positivo no futebol português? Através de campanhas que valorizem os jogadores e passem uma mensagem junto dos mais jovens e dos adeptos de que exigem respeito", explicou.

Os jogadores também pretendem que a culpa não "morra" solteira, quando dirigentes desportivos, nomeadamente presidentes, sem prova fundamentada, coloquem em causa o seu profissionalismo:

"Do ponto de vista regulamentar, é possível aqueles que têm responsabilidade concreta no futebol e que muitas vezes, publicamente, assumem comportamentos contra os jogadores poderem ser sancionados. Refiro-me àqueles presidentes, diretores ou treinadores que acusam os jogadores, objetivamente e publicamente, com o efeito negativo que isso tem para os próprios e para a classe."

No plano legislativo, Evangelista admite maior dificuldade em intervir. "É onde é mais difícil encontrar uma plataforma que articule posições no sentido de alterar a lei e, eventualmente, melhorar o ambiente no futebol, a este respeito. Aí, é mais difícil, mas se nós nos sentarmos com as outras entidades, que é o compromisso, podemos encontrar algumas respostas a esse nível", sublinhou o presidente do Sindicato.

O Sindicato dos Jogadores foi uma das entidades que marcaram presença, esta terça-feira, na Assembleia da República, na conferência parlamentar sobre violência no desporto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.