O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Mau tempo provocou 567 ocorrências. Porto é o distrito mais atingido

14 mar, 2018 - 16:22

Passagem da tempestade "Gisele" por Portugal causou quedas de árvores e de estruturas e inundações.
A+ / A-

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou 567 ocorrências, entre as 00h00 e as 15h00 desta quarta-feira, como quedas de árvores e inundações, sendo os distritos do Porto, Coimbra e Leiria os mais afetados.

Fonte da ANPC disse à agência Lusa que foram registadas "567 ocorrências", desde "a meia noite, altura em que entrou em vigor o alerta amarelo, e até às 15h00".

As ocorrências "tiveram especial desenvolvimento nas últimas três horas", sendo que "durante a noite não existiram praticamente ocorrências", acrescentou a mesma fonte.

O Porto é o distrito mais afetado, seguindo-se Coimbra e Leiria, e as "maiores incidências são quedas de árvores (190), inundações (109) e quedas de estruturas (105)".

Questionada sobre feridos, a ANPC referiu que só há feridos a registar na sequência do desabamento de parte da estrutura do telhado da Porto Editora, na Maia (distrito do Porto), que "afetou três colaboradores".

No concelho de Lisboa foram registadas 67 ocorrências desde as 08:00 até às 15:00, em consequência do mau tempo, sem registo de qualquer dano humano, avançou fonte do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) à agência Lusa.

Das 67 ocorrências, 12 são quedas de árvores, 25 são quedas de estruturas (como vidros, placas, estores ou antenas) e nove são inundações - sete em espaço privado e duas na via pública, que, segundo a fonte do RSB, não causaram constrangimentos de maior.

O RSB apontou ainda que há apenas a registar alguns danos materiais, na sequência da queda de árvores em cima de algumas viaturas.

[atualizado às 18h00]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joâo
    14 mar, 2018 Jeita 19:10
    MAU TEMPO?? Mau tempo era se estivesse tudo a arder!
  • 14 mar, 2018 18:44
    Coitadas das pessoas! No meio deste lamacal!
  • 14 mar, 2018 18:03
    Uma casa com duzentos anos desmoronou! Um senhor disse que a ribeira de santarem esta abandonada os politicos so la aparecem na altura dos votos!
  • 14 mar, 2018 17:44
    Nem por isso!
  • Para refletir...
    14 mar, 2018 Almada 16:54
    Eu gostava de perceber porque razão os temporais vêm todos direitos a Portugal e não também a outros países? Seria normal alguns virem direitos a Portugal, outros a França, outros a Inglaterra, etc. Além disso eles vêm para sul até Portugal, mas não passam mais para sul. Até parece que o objetivo é mesmo fustigar Portugal! Não sei se reparam, mas nem a meio do mês estamos e já choveu mais do dobro do que é normal para o mês. Temos de ficar preocupados pois parece que os temporais têm um objetivo e não vão parar! Só na zona de Faro os prejuízos vão a mais de 7 milhões e já morreu uma pessoa. E há pessoas não não estavam contentes com o bom tempo que tínhamos, como é possível? Será a situação actual melhor? E há mais tempestades a caminho, sem fim à vista! Eu não acredito que esta sucessão de tempestades sem fim à vista aconteçam por acaso, por azar. Seria interessante sabermos quando houve uma sequência tão longa de tempestades?