A+ / A-

Vento forte faz estragos em Esposende e Sintra

14 mar, 2018 - 15:02

Duas pessoas ficaram feridas em Esposende, localidade atingida por um fenómeno semelhante a um tornado.
A+ / A-

Ventos fortes fizeram esta quarta-feira estragos avultados e dois feridos em Esposende. Em Sintra, a queda de um painel de publicidade de grandes dimensões levou à evacuação de uma superfície comercial.

Em Esposende, no distrito de Braga, um fenómeno semelhante a um tornado destruiu estufas, telhados e derrubou postes.

Um homem, de 49 anos, sofreu ferimentos ligeiros quando estava a estava a trabalhar numa estufa, que foi destruída pelo vento.

O outro ferido foi um octogenário, atingido na cabeça por uma estrutura metálica que cobria uma garagem. Foi transportado para o Hospital de Braga.

A queda de uma estrutura publicitária sobre parte da cobertura do armazém Leroy Merlin, na zona industrial da Abrunheira, no concelho de Sintra, não provocou danos pessoais, mas levou ao encerramento da loja, informou fonte da Proteção Civil.

Segundo revelou à Lusa fonte do Serviço Municipal de Proteção Civil de Sintra, pelas 12:15 caiu uma estrutura com o símbolo da Santogal "numa ponta do armazém", que não provocou feridos, mas "obrigou a evacuar a loja" como medida de precaução para os clientes.

A estrutura da empresa vizinha do Leroy Merlin caiu devido ao forte vento que se fez sentir na região, em consequência da depressão 'Gisele', e afetou apenas uma parte da loja de materiais de construção e 'bricolage'.

A mesma fonte da Proteção Civil acrescentou que o espaço comercial deverá permanecer "pelo menos hoje encerrado", para a reparação dos estragos, encontrando-se já no local uma grua para retirar a estrutura da concessionária automóvel.

No local estiveram elementos da Proteção Civil de Sintra, dos Bombeiros Voluntários de São Pedro e da Guarda Nacional Republicana, para auxiliar na evacuação da loja, mas o incidente ficou confinado à área comercial, não afetando a circulação rodoviária na zona envolvente.

Durante a manhã, o temporal também fez cair a estrutura do telhado da unidade gráfica da Porto Editora, na Maia. Três pessoas sofreram ferimentos ligeiros.

Em Avintes, no concelho de Vila Nova de Gaia, os alunos de uma escola foram retirados esta quarta-feira por risco de colapso da cobertura e as aulas foram suspensas.

Em declarações à Renascença, o comandante Vitor Primo, dos Sapadores de Gaia, explica que “na sequência das fortes chuvadas que aconteceram diversas infiltrações em várias salas de aula” e foram detetadas fissuras na junta de dilatação de um pilar da cobertura.

[notícia atualizada às 19h29 - número de feridos sobe para dois em Esposende]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ao para refletir
    14 mar, 2018 lx 18:21
    Parece que quem deve reflectir é o próprio comentador! Talvez fazer uma introspecção ou consultar um medico especialista, para saber se se encontra bem de saúde mental!...
  • 14 mar, 2018 17:58
    Para. Refletir! Nao quero questionar quem escreveu este artigo mas concluo que a pessoa em causa so pensa em bom tempo e para ela e o suficiente no entanto nao diz nada sobre a producao agricola essencial para o nosso sustento a seca nao traz nada de bom para ninguem
  • Para refletir...
    14 mar, 2018 Almada 15:30
    Eu gostava de perceber porque razão os temporais vêm todos direitos a Portugal e não também a outros países? Seria normal alguns virem direitos a Portugal, outros a França, outros a Inglaterra, etc. Além disso eles vêm para sul até Portugal, mas não passam mais para sul. Até parece que o objetivo é mesmo fustigar Portugal! Não sei se reparam, mas nem a meio do mês estamos e já choveu mais do dobro do que é normal para o mês. Temos de ficar preocupados pois parece que os temporais têm um objetivo e não vão parar! Só na zona de Faro os prejuízos vão a mais de 7 milhões e já morreu uma pessoa. E há pessoas não não estavam contentes com o bom tempo que tínhamos, como é possível? Será a situação actual melhor? E há mais tempestades a caminho, sem fim à vista! Eu não acredito que esta sucessão de tempestades sem fim à vista aconteçam por acaso, por azar.