O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

MP investiga currículo do secretário-geral do PSD

13 mar, 2018 - 17:20

Feliciano Barreiras Duarte declarou no seu currículo ser investigador convidado de uma universidade norte-americana, mas a informação foi desmentida pela instituição.
A+ / A-

O Ministério Público (MP) vai abrir um inquérito ao caso do currículo académico do secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte.

“Na sequência de notícias vindas a público, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos. Esses elementos foram encaminhados para o DIAP de Lisboa com vista a inquérito”, avança a Procuradoria-Geral da República (PGR) em resposta enviada à Renascença.

De acordo com a notícia avançada no fim de semana pelo jornal “Sol”, Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o seu currículo académico para retirar o ponto que dizia ser investigador convidado na Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Feliciano Barreiras Duarte declarou no seu currículo ser investigador convidado, mas a informação que foi desmentida pela instituição norte-americana e o novo homem forte do aparelho do PSD eliminou-a, entretanto, do seu currículo.

O secretário-geral do PSD também fez referências ao seu alegado estatuto de investigador convidado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, na sua tese de mestrado em Direito, apresentado em 2014, na Universidade Autónoma de Lisboa.

Em declarações ao "Diário de Notícias, Barreiras Duarte fala numa estratégia "para incomodar a direção do PSD em funções".

"Rejeito veementemente qualquer tipo de acusação ou insinuação sobre o meu percurso académico", afirmou o dirigente do PSD.

O presidente do PSD comentou a polémica no domingo, à margem do congresso do CDS, em Lamego.

"É inequívoco que ele fez referência a um aspeto do seu currículo que não era preciso e corrigiu, é esta informação que eu tenho e ele deu essa informação à comunicação social", afirmou Rui Rio.

Feliciano Barreiras Duarte é deputado e foi secretário de Estado Adjunto do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares Miguel Relvas, entre 2011 e abril de 2013.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Tanta inbestigaçon?
    14 mar, 2018 Lisboa 10:48
    Vamos lá ver se este processo de investigação não vai ficar a marinar como muitos outros. Que é feito do processo de Tancos? Do Luis Filipe Menezes? Do Marco António? E de mais não sei quantos que pelos vistos estão em banho maria.
  • Mário Tavares de Alm
    14 mar, 2018 Lisboa, Portugal 07:28
    A new Relvas
  • Eborense
    13 mar, 2018 Évora 19:26
    Se o Relvas pode ser doutor e se o Zézito pode ser engenheiro, também o Barreiras pode ser investigador da Universidade da Califórnia. Nenhum dos três é nada disto. Não são, mas podiam ser.
  • Antonio C Rodrigo
    13 mar, 2018 Viseu 18:39
    Estamos feitos. Eles são sempre da seita Passos-Relvas, e a investigação do MP (direitola) não passa de um pro-forme.