|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Espanha em choque. Madrasta confessa assassinato de menino

13 mar, 2018 - 15:00

O funeral de Gabriel Cruz, conhecido como “Pescaito” (pequeno peixe), realizou-se esta terça-feira, em Almeria.

A+ / A-

O assassinato de Gabriel Cruz, um menino de oito anos, está a deixar Espanha em estado de choque.

A principal suspeita do crime macabro é Ana Julia Quezada, a atual companheira do pai de Gabriel que foi apanhada em flagrante com o corpo da criança na mala do carro.

Ana Julia Quezada foi detida pela Guardia Civil no domingo, em Vicar, Almeria, no Sul de Espanha, depois de ter levantado algumas suspeitas.

A mulher acabou por confessar o crime esta terça-feira. Disse à polícia que atingiu a criança com o cabo de um machado depois de uma discussão.

O funeral de Gabriel, conhecido como “Pescaito” (pequeno peixe), realizou-se esta terça-feira, em Almeria, uma cerimónia acompanhada por centenas de pessoas e marcada por grande comoção.

Os pais Patricia Ramirez e Angel Cruz agradeceram a ajuda de todos os que ajudaram nas buscas e pelas mensagens de apoio que têm recebido.

Um juiz permitiu o funeral, mas proibiu a cremação do corpo devido à necessidade de serem realizadas novas perícias forenses.

Gabriel Cruz desapareceu a 27 de fevereiro, na aldeia dos avós, e o corpo foi encontrado ao fim de 13 dias.

A criança terá sido estrangulada - de acordo com as primeiras informações - e escondida num poço pela namorada do pai. Passados alguns dias Ana Julia Quezada retirou o corpo do poço e colocou-o na mala do carro. Já estava a ser vigiada pelas autoridades e acabou por ser detida em flagrante.

Ana Julia Quezada está agora também a ser investigada pela morte da sua filha de quatro anos, em 1996. A criança faleceu ao cair do sétimo andar do edifício em que Ana morava, na cidade de Burgos.

Na altura, a investigação concluiu tratar-se de um acidente, mas agora a polícia voltou a apreciar o caso.

[notícia atualizada às 15h26]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário Neves
    14 mar, 2018 Alverca 02:34
    Que seja feita justiça, sem quaisquer atenuantes e a autora desde crime horrivel pague caro o seu castigo na prisão.