A+ / A-

Francisco reconheceu mundo de desigualdades, diz Adriano Moreira

12 mar, 2018 - 18:07

Adriano Moreira falava na abertura da conferência que assinala os cinco anos de pontificado, que decorre na Universidade Católica, em Lisboa.
A+ / A-

Francisco reconheceu a intolerável situação de um mundo de desigualdades e onde permanecem diversas formas de escravatura, afirmou esta segunda-feira Adriano Moreira na abertura da conferência que assinala os cinco anos de pontificado, que decorre na Universidade Católica, em Lisboa.

O professor jubilado referiu ainda os desafios que a Igreja Católica e o Papa enfrentam nos dias de hoje.

“Visto o ataque que a Igreja sofre, infelizmente por condutas de seguidores desviados e erradamente protegidos, concordo com Anselmo Borges quando, no seu livro ‘Francisco – Desafios à Igreja e ao Mundo’, enumerando os desafios para o século XXI, diz que o desafio essencial é a conversão de todos os membros ao Evangelho, começando pelos que estão mais alto: Papa, bispos, cardeais, padres, acreditar em Jesus e tentar segui-lo. É isto que ele prega”, sublinha Adriano Moreira.

O catedrático referiu ainda a lição do atual bispo de Roma vivida ainda quando era bispo de Buenos Aires.

“Num sábado apareceu-lhe uma mãe com uma criança ao colo, pedindo-lhe ajuda porque o filho estava a morrer de fome. Ele respondeu que era sábado, mas que na segunda-feira lhe resolveria o sério problema. A mulher respondeu-lhe: ‘senhor bispo, o meu filho está a morrer de fome no sábado, não é na segunda-feira’. Ele resolveu imediatamente o problema. Pela conduta ensinou a nós todos que em nenhum sábado se pode ficar à espera de segunda-feira”, defendeu Adriano Moreira.

A conferência “Cinco Anos com o Papa Francisco” é organizada pela Renascença, agência Ecclesia e Universidade Católica Portuguesa.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.