O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Pedro Dias condenado a 25 anos de cadeia

08 mar, 2018 - 16:40

Tribunal deu como provada a acusação e condenou à pena máxima para "O Piloto".
A+ / A-

O Tribunal da Guarda condenou esta quinta-feira Pedro Dias à pena máxima de 25 anos de prisão, em cúmulo jurídico, por vários crimes cometidos em Aguiar da Beira a 11 de outubro de 2016, entre os quais três homicídios consumados.

O "assassino de Aguiar da Beira" foi condenado pelos homicídios consumados do militar da GNR Carlos Caetano e de Liliane e Luís Pinto, um casal que viajava na Estrada Nacional 229 naquela noite. A tentativa de homicídio do militar António Ferreira foi também considerada provada, assim como vários outros crimes.

No que respeita a Lídia da Conceição, que surpreendeu Pedro Dias quando estava escondido numa casa de Moldes, no concelho de Arouca, o tribunal absolveu-o do crime de tentativa de homicídio, mas condenou-o a dois anos de prisão por um crime de ofensa à integridade física qualificada.
Pedro Dias foi ainda condenado pelos sequestros de António Ferreira (seis anos de prisão), Lídia da Conceição (um ano e meio de prisão) e do homem que a tentou ajudar, António Duarte (um ano e meio de prisão). Foram ainda considerados provados dois crimes de roubo, três crimes de furto e dois de detenção de arma proibida.

O tribunal decidiu ainda condená-lo ao pagamento de indemnizações no valor de 425 mil euros.

Pedro Dias assistiu à leitura do acórdão por videoconferência desde a prisão de Monsanto.

Defesa pensa em recorrer

Mónica Quintela, advogada de Pedro Dias, disse aos jornalistas que ainda não leu o acórdão da sentença mas que "em princípio irei recorrer". A causídica afirmou ainda que não se percebeu até agora o que espoletou os três homícidios imputados ao arguido.

"Lamentamos profundamente o que se passou, e esperamos que as famílias das vítimas tenham a paz possível", relatou Mónica Quintela, que acrescentou que o seu cliente teve a sorte de ser julgado por um colectivo e um tribunal muito bem preparado.

Advogado de GNR defende revisão da moldura penal

O advogado que representa o militar da GNR que Pedro Dias tentou matar defendeu a criação de um regime excecional com molduras penais mais graves para situações como a dos crimes de Aguiar da Beira. "25 anos acaba por ser o mínimo que este arguido, em função dos factos que praticou, mereceu", afirmou Pedro Proença, o advogado que representa o militar da GNR António Ferreira, que ficou ferido, e os familiares do militar Carlos Caetano, uma das três vítimas mortais do caso de Aguiar da Beira.

Para o advogado, "é altura de determinados crimes, pela sua violência, pela sua gravidade", serem enquadrados num "regime excecional que permita uma moldura penal mais gravosa para estas situações".

"Quando há mortos, quando há vítimas desta natureza, é difícil dizer que se está satisfeito, sobretudo num contexto em que as nossas molduras penais para estes crimes têm que ser revistas", vincou.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    08 mar, 2018 évora 22:14
    Ainda ouvi que os advogados das vítimas ficaram contentes , talvez até tenham orgasmos , pois daqui a 2/3 da pena está cá fora para ajustar contas ... e o tempo passa depressa e o PILOTO é novinho ainda ...Só em Portugal se paga pela justiça tanto matar um como fazer um genocídio ... os membros do ISIS até deviam escolher serem julgados em Portugal ou ainda os membros das SS do tempo NAZI ... assim ainda podiam ter tempo de vida após pena !
  • MASQUEGRACINHA
    08 mar, 2018 TERRADOMEIO 18:29
    Profundo suspiro de alívio... meu e, de certeza, de muitíssima gente. A começar pelos próprios familiares e até advogados das desgraçadas vítimas, cuja patética incerteza sobre o resultado da sentença era evidente. Uma penosa falta de confiança na justiça, amplamente justificável atendendo à "criatividade" de tantas decisões judiciais de que vamos tendo conhecimento. De facto, nunca se sabe se as vítimas não estariam a pedi-las, e coisas que tais... Enfim, e como disse um advogado, esperemos que a decisão, além de estabelecer a (possível) justa pena, esteja bem fundamentada, para evitar o circo dos recursos. Ele lá saberá do que fala. Por mim, lamento que as coisas não se passem de forma mais racional, como na Noruega, onde a pena máxima é, por regra, branda; mas, neste tipo de casos com perigosos (e insanáveis?) contornos psicopáticos, admitindo excepção casuística, que pode até representar encarceramento para toda a vida. A bem do psicopata, que nem sabe que é infeliz, e a bem dos infelizes que tivessem o azar de se cruzar com ele, como os outros tiveram. Daqui a 25 anos (se chegarem a ser 25 anos, o que é muito, muito duvidoso) continuará a ser um psicopata - mas, provavelmente, um psicopata muito mais rancoroso e ainda mais perigoso. O que não augura nada de bom. Num distúrbio de personalidade desta envergadura, como parece ser o caso, a privação temporária da liberdade não funciona como castigo, pois o indivíduo não consegue interiorizar a futilidade dos seus crimes.
  • 08 mar, 2018 17:00
    Um heroi da rtp condenado! O hernani carvalho sabia que tudo valia zero!